VEGETARIANISMO E ECOLOGIA


Reduzir o consumo e a produção de carne em 30 por cento ajudaria a reduzir as emissões de carbono na atmosfera e a melhorar a saúde das pessoas, afirmaram cientistas na quarta-feira.


Pesquisadores britânicos e australianos descobriram que melhorar a eficiência, aumentar a captura de carbono e reduzir a dependência de combustíveis fósseis na agricultura não será suficiente para cumprir as metas de redução na emissão de CO2.

Mas combinar essas medidas com uma redução de 30 por cento no rebanho dos principais países produtores de carne e um corte similar no consumo de carne levaria a "benefícios substanciais à saúde da população" e à diminuição das emissões de gases-estufa, afirmaram.

O estudo descobriu que na Grã-Bretanha um consumo 30 por cento menor de gordura saturada de fonte animal por adultos reduziria o número de mortes prematuras decorrentes de doença cardíaca em cerca de 17 por cento - o equivalente a 18 mil mortes prematuras evitadas em um ano.

Em São Paulo, isso significaria até mil mortes prematuras evitadas em um ano.

De acordo com a agência das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação, 18 por cento de todas as emissões de gases-estufa são oriundas da produção de carne e os especialistas afirmam que a demanda crescente pelo produto, principalmente nos países com economias em ascensão, poderia elevar o rebanho mundial em 85 por cento até 2030.

Os cientistas afirmam que é necessária uma ação global para maximizar os benefícios das reduções na produção e no consumo de carne e que as vantagens ambientais "podem se aplicar apenas nos países que atualmente têm altos níveis de produção".

O estudo foi publicado na revista médica The Lancet como parte de uma série sobre mudanças climáticas e saúde às vésperas da conferência sobre o clima em Copenhague, marcada para o mês que vem

Fonte: Reuters

CÂNCER X ESTATÍSTICAS


O Instituto Nacional do Câncer divulgou um estudo sobre o registro de casos da doença em todo o Brasil. As formas de câncer encontradas mais comumente em cada região do país.

Os números foram analisados pelos médicos. E transformados em conselhos que podem ajudar os brasileiros a reduzir os riscos de desenvolver tumores malignos.

A genética não é a única causa do câncer, pelo contrário, 90% dos casos estão relacionados a outros fatores de risco. E a maioria deles tem a ver com os nossos hábitos. O nosso jeito de levar a vida é a principal explicação para o aparecimento da doença.

Num país com hábitos tão diferentes de Norte a Sul, os tipos de câncer mais comuns variam de região para região. No Sudeste, o câncer de mama vai ser o de maior incidência entre as mulheres em 2010. E até a vida reprodutiva influencia. A primeira gravidez depois dos 30 anos, a menopausa tardia e o uso de anticoncepcionais são alguns dos fatores de risco comprovados.

A prevenção continua sendo o melhor remédio: atividade física, alimentação saudável e até a amamentação.

A região Norte é a que terá a maior taxa de câncer de colo de útero do país. “Hoje a gente poderia dizer que 80% das mortes por câncer de colo de útero na Região Norte poderiam ser evitadas se os exames fossem feitos e as pessoas com lesão tratadas precocemente”, explicou o médico do Inca.

E no Nordeste, terra do acarajé, da carne seca, do azeite de dendê? “Eu como e depois eu vejo, lá para frente eu me cuido. O importante é comer o que é gostoso”, disse um homem.

A culinária regional, que abusa do sal, pode levar a um câncer de estômago. Mas o maior fator de risco é uma bactéria presente principalmente onde falta saneamento básico, que é o caso de muitas cidades do Nordeste.

E no Rio Grande do Sul, a incidência de câncer de esôfago é duas vezes maior do que no Rio e em São Paulo. O motivo? O bom e velho chimarrão, tradicional na Região Sul.

“A gente toma o chimarrão bem quente para esquentar bem o corpo do gaúcho”, disse um homem. A bebida quente demais pode causar lesões no esôfago.

Mas pra prevenir a doença, não é preciso abrir mão da tradição. “Uma simples medida como no caso dos gaúchos é uma redução de 10ºC na temperatura previne um câncer que não tem solução infelizmente”, especialista em câncer de esôfago do INCA.

É interessante em todas as estatísticas que a alimentação é um dos fatores determinantes na incidência do câncer. Ser criterioso na hora de comer é vital para não ter experiências com a doença no futuro.

Ou seja, uma vida regrada hoje, é certeza de saúde amanhã.

OS 10 ALIMENTOS MAIS ARRISCADOS


Departamento de Alimentos e Drogas (FDA) dos EUA, fez uma lista dos 10 alimentos mais arriscados para a alimentação.Alguns desses alimentos são os mais populares consumidos nos EUA.


Ovos estão entre os 10 alimentos mais arriscados regulados pelo Departamento de Alimentos e Drogas (FDA). O centro não recomenda que os consumidores mudem seus hábitos alimentares, mas que pratiquem uma "alimentação defensiva". "Escolha e trate a comida com cuidado. Mantenha-a resfriada e a cozinhe bem. Evite ostras cruas e mantenha frutos do mar resfriados. Não coma ovos crus ou mal cozidos. Não use ovos crus para fazer sorvete."

O centro analisou dados coletados por 17 anos pelo FDA, que regula 80% do fornecimento de alimentos e representa apenas a proverbial "ponta do iceberg". Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças estimam em 76 milhões o número de doenças que ocorrem nos EUA a cada ano causadas por alimentos.

O FDA não regulamenta a carne de boi, de porco ou outros derivados de carne e certos produtos de ovo em pó. Estes são regulamentados pelo Departamento de Agricultura. Para informações sobre surtos de doenças relacionadas à carne bovina, procure www.cspi.org.

Sarah Klein, advogada do Centro de Ciências de Interesse Público, disse que folhas verdes são campeãs de nutrição, mas o problema é que um único patógeno pode contaminar muitos produtos recém colhidos quando são processados.

Fechando a lista estão ostras, batatas, queijo, sorvete, tomates, brotos e frutas vermelhas. As batatas depois que são cozidas são seguras, o problema ocorre quando são misturadas com outros alimentos crus, pois as bactérias se multiplicam rapidamente.

O Centro de Ciências de Interesse Público anunciou a lista na terça-feira enquanto o Congresso está examinando um projeto de lei para dar ao FDA a autoridade de exigir aos processadores de alimentos que implementem planos de segurança alimentar, fornecer padrões de segurança específicos que os produtores teriam que cumprir e exigir visitas às instalações de alto risco a cada três a quatro anos. Em julho, a Câmara aprovou o Ato de Melhoria da Segurança Alimentar.

Peter Hurley, policial de Portland, disse que em janeiro seu filho Jacob, 3, ficou doente com sintomas de gripe e diarreia que exames laboratoriais mostraram estarem ligados à marca de biscoitos de manteiga de amendoim "Toastee".A família está, junto com 50 outras, em Washington, nesta semana, visitando os senadores e pedindo que aprovem o projeto de lei 510.

Apesar de o amendoim e de produtos de castanhas estarem ligados a recentes surtos de salmonela, os números não foram altos o suficiente para que fossem incluídos nos "10 mais".

Os tomates ficaram em oitavo na lista, mas a indústria de tomate da Florida tem o único programa estadual de segurança alimentar, em vigor há 18 meses.

Em 2008, houve um surto de salmonela e inicialmente os tomates foram apontados como causa, mas depois se concluiu que as causadoras eram as pimentas Serrano do México.

As bactérias acabam alcançando esses tipos de alimentos nas industrias, porque onde são processados (máquinas) as bactérias acabam se instalando em colônias, por não haver uma boa higienização dos equipamentos.

Produtos comprados nas feiras e processados em casa não são susceptíveis às mesmas bactérias. A lista apenas aponta os alimentos que mais estão sujeitos a carregar ou desenvolver bactérias quando processadas pela indústria de alimentos.

A lista dos mais arriscados:
1. carne de boi
2. carne de porco
3. ovos
4. ostras
5. batatas
6. queijo
7. sorvete
8. tomates
9. brotos
10. frutas vermelhas

INDUSTRIALIZADOS PODEM PROVOCAR DEPRESSÃO


Pessoas com dieta mais saudável sofrem 'menos risco' de ter a doença.

Um estudo realizado por uma equipe de pesquisadores da University College London, na capital britânica, indica que dietas ricas em alimentos industrializados aumentam o risco de depressão.

Do outro lado, afirmam os pesquisadores, pessoas que comem legumes, verduras, frutas e peixe em abundância apresentam riscos menores de sofrer da condição.

O estudo, descrito na revista científica British Journal of Psychiatry, analisou informações sobre a dieta de 3,5 mil funcionários públicos britânicos e, cinco anos mais tarde, monitorou a ocorrência de depressão no grupo. Segundo a equipe de pesquisadores, este é o primeiro estudo a vincular a dieta dos britânicos com a depressão.

Os pesquisadores dividiram os participantes em dois grupos de acordo com o tipo de dieta que seguiam. Em um grupo ficaram os que consumiam alimentos integrais, frutas, legumes e peixe. No outro, os que comiam principalmente alimentos industrializados, como sobremesas açucaradas, alimentos fritos, carne industrializada, cereais refinados e produtos laticínios ricos em gordura.

Após levar em conta fatores como sexo, idade, educação, atividade física, doenças crônicas e o hábito de fumar, os especialistas identificaram uma diferença significativa em riscos futuros de ocorrência de depressão nos grupos.

Os que comiam mais alimentos integrais apresentaram 26% menos riscos de desenvolver depressão do que os que consumiam menos alimentos integrais.

Em contraste, os que comiam mais alimentos industrializados apresentaram 58% mais riscos de desenvolver depressão do que os que comiam poucos alimentos industrializados.

"Esse estudo se soma a um conjunto já sólido de pesquisas que mostram associações fortes entre o que comemos e nossa saúde mental", diz o diretor da entidade britânica Mental Health Foundation, Andrew McCulloch. "Estudos como esse são cruciais porque são a chave para que tenhamos uma compreensão melhor da doença mental."

McCulloch acrescenta que as dietas das pessoas estão se tornando cada vez menos saudáveis. "A população da Grã-Bretanha está consumindo menos produtos frescos e nutritivos e mais gorduras saturadas e açúcares", afirma.

"Estamos particularmente preocupados com os que não podem ter acesso a alimentos frescos ou moram em áreas onde existe um número alto de restaurantes de fast food e comida para viagem."

A FÓRMULA DA LONGEVIDADE E DA JUVENTUDE



Essa fórmula está longe de ser simples. Os mais recentes estudos sobre longevidade e juventude indicam que não existe uma pílula ou um elixir para se permanecer jovem e viver muito.

O que se percebe é que um estilo de vida regrado conduz ao resultado desejado.

Não se trata de um tratamento durante um mês ou de uma dieta fabulosa, mas do resultado de décadas vivendo da forma correta, no cultivo de hábitos obedecidos religiosamente.

A seguir uma lista de hábitos que favorecem a saúde e a longevidade do corpo, trazendo os tão desejados resultados – aparência jovem e vida longa.

Aparência jovial:

1. Cuidado com o Sol – é vital se expor ao sol para se ter uma boa saúde, mas evite o sol depois das 10h da manhã até as 17h (horário de verão). Use bloqueadores de fator alto no rosto, braços e na região abaixo do pescoço e acima do tórax.

2. Beba água mineral – um copo de 200 ml a cada hora irá garantir uma hidratação equilibrada. O corpo precisa de quantidades de água regulares e de forma constante. Evite ingerir grandes volumes de uma só vez – isso não hidrata, apena elimina muitos sais minerais de uma só vez.

3. Coma mais frutas – as frutas devem ocupar cada vez mais o volume do cardápio.

4. Coma alimentos crus – eles oferecerão vitaminas e sais minerais importantes.

5. Use castanhas e nozes – eles possuem oligo-elementos que favorecem os ciclos fisiológicos do corpo, principalmente da sexualidade.

6. Exercício físico – é fundamental para músculos rígidos, irrigação da pele e eliminação de toxinas.

7. Ar puro – o oxigênio em abundancia (respiração profunda) irá revitalizar a pele.

Vida Longa:

1. Fortaleça seu coração – exercícios físicos de 3 a 5 vezes por semana.

2. Fortaleça seus pulmões – os exercícios intensos com respiração profunda irão promover a respiração e oxigenação de todo os tecidos do corpo.

3. Cuide de seus rins – o uso regular da água e eliminar o uso das proteínas animais (carnes e queijos) irão ajudar na sua saúde renal.

4. Leitura – esse hábito fortalece a memória e promovem a formação de neurônios.

5. Disposição – bom humor e atitude positiva produzem neuro-transmissores da felicidade (endorfinas, serotonina)

6. Faça algo para os outros – ajudar pessoas, fazer atividades solidárias promovem a saúde emocional e espiritual.

7. Confie em Deus – a Fé é o fundamento mais profundo da existência humana.

Há outros fatores a serem eliminados como hábitos – cigarro, álcool, drogas, medicamentos não prescritos, alimentos industrializados, alimentos de origem animal e o açúcar nas suas mais variadas formas – refrigerantes, sorvetes, doces e chocolates.

Viver muito mais e com uma aparência jovial tem o seu preço!

A PROPAGANDA ENGANOSA DOS REFRIGERANTES



Defensores das campanhas de saúde pública afirmam que os Estados Unidos estão vivendo hoje uma epidemia de obesidade que custa ao país US$ 147 bilhões por ano em gastos com saúde. De acordo com as últimas estatísticas do governo americano, 32.2% dos americanos adultos e 17.1% das crianças já são clinicamente obesos.


Em média, os americanos consomem atualmente entre 200 e 300 calorias a mais do que consumiam há 30 anos. Parte da culpa é do fenômeno do aumento do tamanho das porções mas, também devido ao consumo de refrigerantes.

Pesquisas recentes mostram que os americanos bebem quase 58 bilhões de litros da bebida por ano.

E as bebidas podem contar até 68 colheres de chá de açúcar em cada garrafa de 2 litros. Cada copo de 250 ml de refrigerante possui 8 colheres de açúcar.

Uma campanha com cartazes que retratam uma garrafa de refrigerante despejando banha em um copo é a mais nova arma das autoridades de saúde de Nova York no combate à obesidade.

A estratégia da campanha é promover uma redução no consumo de refrigerantes usando a tática de chocar as pessoas com a força da imagem. Autoridades de saúde de Nova York afirmam que a ideia foi mesmo a de usar uma imagem forte e "feia" para chocar o público consumidor de refrigerantes.

O refrigerante assim deixa de ser aquilo que se propõem – refrescante – e oferece uma dose ‘cavalar’ de calorias. A energia acumulada que um copo da bebida oferece chega ser tóxica para o organismo. Toda essa glicose é transformada em gordura líquida nas células adiposas.

As pessoas que tem a tendencia para a formação de estrias e celulite são prejudicadas com esse mecanismo de transformação do açúcar em gordura. Para evitar a intoxicação do organismo com super doses de glicose, toda essa carga glicêmica é acumulada no tecido adiposo da região abdominal, glúteos e coxas.

Alimentos muito calóricos como os refrigerantes, sorvetes, bolos e doces são verdadeiras armadilhas. O prejuízo é maior que o sabor.

O prefeito de Nova Iorque, Michael Bloomberg já obrigou cafés, restaurantes e lanchonetes a especificarem a quantidade de calorias nos cardápios, enviou vendedores de frutas para bairros pobres e deu incentivos a pequenas lojas para venderem frutas e vegetais.

GORDURA TRANS


A gordura trans é ingrediente de boa parte dos alimentos industrializados. Está nos biscoitos, nos sorvetes, nas margarinas, nos requeijões, nas frituras, nos salgadinhos e até nas misturas para bolos.

Elas são óleos vegetais parcialmente hidrogenados, tornando alimentos oleosos em semi-sólidos; usadas para estender o prazo de validade dos produtos; usadas em massas de torta e salgados, bolos, margarinas e em alguns tipos de "fast food"; podem aumentar os níveis do colesterol "ruim"; elas não têm qualquer benefício nutritivo.

Mesmo uma pequena redução em seu consumo pode diminuir o risco de doença cardíaca.

Neste ano, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, convocou os fabricantes e defendeu o modelo do Canadá, que deu três anos para que o ingrediente fosse banido. "A nossa vontade é que, num curto prazo, nós possamos estar com 100% dos alimentos comercializados no Brasil sem gordura trans", afirmou.

O empenho do ministro se justifica pelos gastos com o tratamento dos brasileiros que comem mal. Cerca de 168 mil pessoas foram hospitalizadas em 2007 em decorrência de acidente vascular cerebral --uma das conseqüências do colesterol alterado--, o que custou R$ 118 milhões aos cofres públicos.

O Estado americano da Califórnia se tornou o primeiro do país a aprovar uma lei proibindo os restaurantes e comerciantes de alimentos de usar gorduras do tipo trans, que estão ligadas a doenças cardíacas.

O governador Arnold Schwarzenegger disse que a nova lei, que entra em vigor em 2010, representa um passo em direção a um futuro mais saudável. Violações à lei vão resultar em multas que podem chegar a US$ 1.000 (cerca de R$ 1.600).

Algumas cidades americanas, como Nova York, Filadélfia e Seattle já haviam proibido o uso deste tipo de gordura, e muitos restaurantes e fabricantes de alimentos estão realizando experiências com o objetivo de substituir as gorduras trans.

As gorduras do tipo trans são óleos vegetais alterados quimicamente e tornados sólidos pelo processo de hidrogenação. Elas permitem aos alimentos processados ter um prazo de validade maior.

A gordura trans surgiu como uma alternativa a banha do porco; acreditava-se ser mais saudável à gordura animal, por ser obtida de óleos vegetais. A gordura animal aumenta o LDL (o colesterol ruim) no sangue.

Mais que isso, a nova gordura foi amplamente adotada por ser pastosa, quase sólida, e não líquida. É o atributo que deixa a margarina cremosa e o biscoito crocante. Além disso, aumenta o prazo de validade e deixa o sabor mais agradável. Se você está acostumado com o seu biscoito e de repente sente um gosto diferente, a ausência da gordura trans pode explicar isso.

Elas são usadas porque são baratas, dão “corpo” aos alimentos, têm sabor neutro e aumentam o prazo de validade de produtos, mas não têm qualquer valor nutritivo.

Um artigo publicado pela revista especializada New England Journal of Medicine em 2006 concluiu que há uma forte conexão entre o consumo de gorduras trans e doenças cardíacas. O artigo conclui que essas gorduras aumentam os níveis de colesterol “ruim” no corpo.

O artigo ainda afirma que a eliminação das gorduras trans dos alimentos poderia evitar entre 6% e 19% das mortes causadas por ataques cardíacos a cada ano.

INDUSTRIALIZADOS



Alimentos industrializados não são uma boa opção para quem quer ter saúde. Eles são pobres em fibras e nutrientes originais. As vitaminas e outros elementos que compõem a tabela nutricional são acrescentados. Isso não corresponde a realidade ou ao teor natural daqueles alimentos.

A tendência é compramos muitos produtos industrializados. Quando você vai ao mercado, um bom indicador de quantos deles você está levando é avaliar o conteúdo do carrinho ou da cesta no mercado.
Eles são muito bonitos, com embalagens sedutoras um sabor excepcional, mas não oferecem nada alem de muita caloria, gordura sal e açúcar.

O malefício de tais alimentos é tão grande que vão ser banidos das refeições e das máquinas de refrigerantes e salgadinhos das escolas inglesas.A proibição foi anunciada pela ministra da Educação, Ruth Kelly, durante a Conferência Anual do Partido Trabalhista.

As máquinas não poderão mais vender chocolates, salgadinhos ou refrigerantes. "Tenho claro para mim que o escândalo da junk food servida diariamente nas escolas tem que acabar", disse a ministra."Portanto, hoje anuncio que vamos banir as salsichas e hambúrgueres processados e de baixa qualidade das cantinas a partir de setembro do ano que vem."

A ministra disse que é "senso comum" que alguns tipos de alimentos sejam excluídos dos cardápios."Por exemplo, os produtos de carne feitos de carne reconstituída que não tem qualquer semelhança com o produto original."

Para você mudar essa rotina nas compras, a saída é permanecer mais tempo na seção dos horti-frutos. Evite passear nas prateleiras, pois elas estão repletas de industrializados ou alimentos processados.
Outra opção é fabricar seu próprio alimento – pães, biscoitos, sucos, iogurtes, patês etc.

Para algumas pessoas isso parece inviável. Mas imagine você em um hospital com um problema de saúde – isso também é inviável. É uma questão de opção.

INFLAMAÇÃO E DIETA VEGANS


A inflamação é uma reação patológica do organismo para tentar neutralizar um agente estranho ao organismo. Esse agente estranho pode variar de microorganismos a susbstâncias.

A inflamação é comum em patologias e desordens fisiológicas nos pulmões, o trato urinário, os intestinos e o estômago. A artrite reumatóide é uma doença inflamatória.

Uma pesquisa de um instituto sueco sugere que as pessoas que sofrem de artrite reumatóide podem reduzir o risco de ataques cardíacos e derrames se seguirem uma dieta vegan – nome dado à dieta vegetariana radical, em que não há consumo de carne, leite e seus derivados - e sem glúten.

Ataques cardíacos e derrames estão entre as principais causas de morte de pacientes que sofrem de artrite reumatóide, pois a inflamação causada pela doença tem impacto nas artérias.
Mas, segundo pesquisadores do Instituto Karolinska, de Estocolmo, Suécia, o risco pode diminuir por meio de uma dieta sem produtos animais e sem o glúten, que pode ser encontrado no trigo, aveia, centeio e cevada.

O estudo, publicado na revista Arthritis Research and Therapy, afirma que aqueles que seguem esta dieta têm menos mau colesterol. O mau colesterol é visto como o fator mais importante em problemas do coração, pois obstrui as artérias.

COMER MENOS E EXERCITAR MAIS


Estudo realizado desde 2002 pelo National Institute on Aging, nos EUA, confirma os efeitos de se comer menos e de se exercitar mais. Os pesquisadores concluíram que "comer menos" limita os danos provocados pelos temidos radicais livres. Esses elementos nocivos são produzidos pela conversão dos alimentos em energia que alimenta nossas células.

Hoje, depois dos radicais livres, do estresse oxidativo e dos raios UV, o novo alvo contra o envelhecimento é a glicação (processo de ligação entre uma molécula de glicose maléfica com uma proteína saudável) e seus resultados: os A.G.E.s (produtos finais da glicação avançada).

A glicação ocorre quando uma molécula de açúcar em excesso, por aumento da ingestão ou por lentidão do metabolismo da glicose, se adere a uma molécula de proteína (colágeno, elastina, dentre outras) formando os AGEs, que são um complexo açúcar-proteína rígido que altera a estrutura dessas proteínas, impedindo a eficácia no desempenho de seus papéis mais importantes e, na pele, leva ao aparecimento das rugas.

Os AGEs ainda são verdadeiras fábricas de radicais livres. Eles se acumulam lentamente ao longo do tempo, piorando seus efeitos prejudiciais no organismo e deixando a pele com um aspecto opaco e envelhecido. Para combatê-los e evitá-los, existe uma fórmula tríplice: dieta, suplementos e produtos tópicos.
Outro grupo de pesquisadores, da McMaster University, no Canadá, demonstrou na década passada que o envelhecimento muscular pode até ser revertido se a prática de atividade física for frequente.

Após os 30 anos, o corpo humano tende a perder 10% da massa muscular a cada década, e a única forma de evitar isso é fazer uso constante dos músculos. Com relação ao físico, o lema é 'usar ou perder'".

A atividade física melhora não só a capacidade aeróbica, mas também a massa muscular, que vai diminuindo com o avanço da idade.
Os estudos com pessoas de mais de 65 anos mostram que treinamentos regulares de resistência parecem reverter os sinais de envelhecimento nos músculos.

As análises de tecidos musculares mostraram que, após exercícios, o maquinário molecular que move as células musculares se torna tão ativo quanto o de pessoas de 20 anos.

Vale a pena se esforçar e fazer exercícios regulares.

A IMPORTÂNCIA DA PRIMEIRA REFEIÇÃO


Fazer uma refeição rica e forte pela manhã tem suas vantagens. Normalmente passamos de 8 a 10 horas de jejum durante o sono, e uma refeição forte e variada assim que acordamos irá suprir necessidades imediatas do organismo.

O jejum prolongado baixa a glicose a níveis críticos e a eliminação de água na forma de urina, desidrata parcialmente os tecidos. A necessidade de uma reposição farta e rica é imprescindível. Coisa que um pão francês e um xícara de café, jamais poderão suprir.

Se a refeição da manhã é forte, o que vai ocorrer é sentirmos fome para a segunda refeição bem mais tarde do que o normal. Normalmente o pãozinho e o “pingado” (café com leite) nos levam ao máximo até as 12 horas da manhã. Mas uma refeição com grãos integrais e frutas tendem a nos levar a períodos mais longos de saciedade. A segunda refeição é adiada até as 14 ou 15 horas.

Isso minimiza a última refeição (da noite), trazendo o benefício de ingerir menos alimento e consumir poucas calorias. Uma fórmula ideal para a saúde do coração.

O café da manhã também pode ser a principal refeição do dia para aqueles que estão tentando perder peso, segundo um estudo apresentado nesta semana no encontro anual da Sociedade de Endocrinologia, em San Francisco.

O estudo, conduzido por uma pesquisadora do Hospital de Clínicas de Caracas, na Venezuela, em parceria com a Universidade Virginia Commonwealth, nos Estados Unidos, demonstrou que mulheres obesas que comeram metade de suas calorias diárias logo de manhã por vários meses acabaram emagrecendo mais do que aquelas que comeram menos no café da manhã. Comer pouco no café da manhã pode fazer com que a pessoa sinta necessidade de comer mais durante o dia.

Em um estudo com 94 mulheres obesas e pouco ativas foi comparado os resultados alcançados com uma dieta que incluía café da manhã reforçado com os verificados em uma dieta pobre em carboidratos. Quatro meses depois, as que estavam na dieta baixa em carboidratos pareciam estar perdendo mais peso do que as outras.

No entanto, oito meses depois, no final do estudo, a situação se reverteu, com aquelas na dieta baixa em carboidrato voltando a engordar, enquanto as que comiam a dieta com um café da manhã reforçado continuavam a perder peso. Ao final, as que comeram a dieta com um café da manhã rico perderam 21,3% de seu peso, enquanto as outras, apenas 4,5%.

Um café da manhã mais rico é mais eficiente em ajudar a perder peso, porque faz com que as pessoas se sintam mais satisfeitas e saudáveis durante o dia, já que inclui mais fibras e frutas.

A Fundação Britânica de Nutrição afirma que há evidências de que um bom café da manhã pode ajudar quem quer perder peso. "Isso é provavelmente porque quando não comemos um bom café da manhã temos mais chances de ficar com fome antes do almoço e comer alimentos açucarados e gordurosos, como biscoitos ou bolos", ela disse.

DEIXANDO DE COMER A CARNE VERMELHA


Deixar de comer carne hoje é uma das mais sábias decisões para beneficiar o coração e evitar doenças como o AVC (Acidente vascular Cerebral) e o Infarto do Miocárdio. Ambas as doenças envolvem obstrução (entupimento) de artérias ou vasos do cérebro e coração.

Assim deixar a carne é uma importante decisão para melhorar a qualidade de vida, mas não é a única. É preciso avançar para o entendimento que não é só a carne vermelha que traz prejuízos para sua saúde. A carne de frango, peixes e porco são ricas em gordura animal e trazem prejuízos da mesma forma.

Uma equipe de cientistas da Universidade de Leeds, na Grã-Bretanha, monitorou a saúde de 35 mil mulheres durante sete anos e concluiu que mulheres que comiam uma porção de cerca de 60g de carne por dia apresentaram 56% mais risco do que aquelas que não consumiam o alimento.

Ainda segundo o estudo, as mulheres que comiam carne processada, como bacon, salsichas e presunto, têm 64% mais risco de desenvolver o câncer de mama do que aquelas que evitam esses pratos.

"A carne vermelha é rica em gordura saturada, e esse tipo de gordura influencia na quantidade de colesterol produzida pelo organismo. O colesterol é um precursor do estrogênio, substância que está associada a um maior risco de câncer de mama", explicou Janet Cade, chefe da equipe que realizou a pesquisa.Segundo a médica, cozinhar a carne em altas temperaturas também pode acelerar a formação de componentes cancerígenos.

"Meu conselho para mulheres que consomem carne vermelha e processada diariamente é para que elas reavaliem sua dieta", disse.Cade afirmou ainda que mulheres mais jovens, que ainda não entraram na menopausa e que comem carne vermelha, também apresentaram mais chances de sofrer da doença, mas os resultados não foram significantes estatisticamente.

O mesmo estudo mostrou que mulheres mais jovens que consomem grande quantidades de fibras cortaram pela metade o risco de desenvolver o câncer de mama. Henry Scowcroft, do Cancer Research UK, disse que as mulheres deveriam tentar manter um peso saudável, fazer exercícios físicos e evitar porções regulares de alimentos gordurosos, como a carne vermelha.

Os alimentos de origem animal não são saudáveis para o sistema circulatório dos humanos (artérias, veias e vasos sanguíneos). Mesmo alimentos como o leite e seus derivados (queijo, iogurte) e ovos precisam ser comidos com moderação, pois são ricos em gordura animal (colesterol).

Se você deixou de comer a carne vermelha, parabéns, você tomou uma excelente decisão. Os benefícios para o seu coração e sistema circulatório serão enormes. Mas você precisa avançar para não correr outros riscos.

Os cientistas do Instituto Nacional do Câncer americano dizem que um em cada dez casos de câncer de pulmão e de intestino poderia ser evitado se as pessoas diminuíssem a ingestão de carnes, presunto, salsichas e bacon.

Os estudiosos analisaram a dieta e o histórico médico de 494 mil pessoas com idades entre 50 e 71 anos. Aqueles que consumiam mais carne tiveram, ao longo de oito anos, 25% mais chances de serem diagnosticados com o câncer de intestino e 20% mais para o câncer de pulmão.

Em artigo publicado na revista científica PLoS Medicine, os pesquisadores dizem ainda que também foi estabelecida uma ligação entre o consumo de carne vermelha e o câncer de fígado e do esôfago.

MUDANÇA DE UM HÁBITO APENAS, NÃO TRAZ BENEFÍCIOS


“Ar puro, luz solar, abstinência, repouso, exercício, regime conveniente, uso de água e confiança no poder divino - eis os verdadeiros remédios” CB, 127.

Alguns imaginam que ter uma alimentação saudável é tudo que podem fazer para ter uma saúde melhor. Mas a saúde envolve vários sistemas de nosso corpo e não somente o estômago.

A mudança no estilo de vida deve ser completa, envolver vários aspectos do viver diário.

Além de se optar por uma alimentação saudável, também é muito necessário que se faça exercícios físicos, ingestão de água, sono regular e abstinência das drogas (incluindo medicamentos).

Para uma vida saudável que resulte em longevidade e qualidade de vida, todo o corpo deve estar sendo beneficiado. É necessária a disciplina e regularidade em outros hábitos além daqueles de se alimentar bem.

Não basta (por exemplo) ser vegetariano. É necessário a inclusão de outros hábitos de vida na rotina diária. O vegetarianismo (ovo-lacto vegetarianismo) é uma excelente opção para melhorar a qualidade de vida. Mas não é o suficiente. A reforma deve ser completa e ela inclui oito pontos a serem incluídos na mudança.
1. Ar puro – inalar ao ar livre, em respiração profunda e constante, muito ar puro.
2. Luz solar – exposição ao sol, ao ar livre, todas as partes do corpo nas horas saudáveis da luz solarem – até as 10h da manhã; após as 16h da tarde.
3. Água pura – beber 2 litros de água durante o dia, em copos de 200 ml a cada hora. Água mineral ou livre de cloro, trará benefícios enormes ao sistema imune.
4. Exercício físico regular – no mínimo 3 vezes por semana e não menos que 40 minutos diários. Exercício físico é fundamental para uma boa saúde.
5. Regime alimentar natural – a alimentação natural – a base de grãos integrais, castanhas, legumes crus, verduras e frutas aumentarão a expectativa de vida – a longevidade.
6. Repouso – dormir cedo, antes das 22h da noite. Quanto mais cedo, mais produção de Melatonina e maior os benefícios para o cérebro.
7. Abstinência de drogas – não usar cafeína, etanol, nicotina e evitar os medicamentos.
8. Confiança no poder Divino – ter Fé em Deus, freqüentar a igreja e ter momentos de comunhão e meditação.

Fazer apenas um destes itens não trará resultados para uma vida saudável. É necessária uma reforma completa, uma mudança em todas as áreas da vida.

Outro fator importante é a regularidade e disciplina nestas mudanças. Um hábito mudado deve ser regular, vivenciado todos os dias. E a disciplina é fundamental; controlar os impulsos e não se permitir voltar aos hábitos antigos, eis o fundamento do sucesso.

E sucesso neste aspecto significa – rejuvenescer, vida longa e qualidade de vida.

9 BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR


Exercitar-se regularmente traz benefícios enormes. Quando se fala de exercitar-se regularmente, isso quer dizer não menos que 3 vezes por semana, e por períodos não menos que 20 minutos de exercícios aeróbicos (com respiração profunda).

Isso quer dizer que as ginásticas, que são praticadas de forma estática e que não levam a um aumento do batimento cardíaco e da respiração, não terão os mesmos resultados dos exercícios aeróbicos.

Os benefícios que podem vir de atividades físicas regulares:
1. Os benefícios de três seções semanais de exercícios incluem não somente músculos mais fortes, mas também músculos mais jovens.

2. Os exercícios físicos podem melhorar a capacidade mental e adiar o declínio da memória.

3. Fazer atividades que aumentem os batimentos cardíacos durante apenas 30 minutos diariamente pode cortar em 50% os riscos de doenças cardíacas.

4. Os exercícios produzem melhora do estado emocional e promovem a sensação de felicidade.

5. Exercitar-se é um excelente anti-depressivo (prevenção).

6. Melhora o desejo e o desempenho sexual.

7. Fortalece os vasos sanguíneos evitando varizes e coágulos.

8. Melhora o apetite e por outro lado queima as gorduras acumuladas.

9. Reduz os riscos de câncer.

Pratique exercícios regularmente ao ar livre, sua vida vai melhorar em muitos aspectos.

AR PURO


A forma como respiramos e inundamos nossos pulmões de ar, tem muito haver com nossa disposição e saúde. O oxigênio é uma substancia vital para o funcionamento cerebral.

Segundo pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT), a passagem do sangue pelo cérebro pode afetar a forma como os nervos transmitem sinais a outras partes do corpo, e pode regular a forma como a informação passa pelo cérebro.

Outros estudos mostram que mudanças no fluxo de sangue no cérebro afetam a atividade dos neurônios mais próximos, alterando como eles transmitem sinais uns aos outros. A teoria é sustentada por exames de ressonância magnética da parte do cérebro que representam as várias partes do corpo como dedos, braços e pernas.

Pesquisadores do Long Island Jewish Medical Center dizem que a parte da tarde seja a melhor hora do dia para se fazer exercícios físicos, pois a função pulmonar neste período alcança o seu máximo. Uma análise realizada durante cinco anos em 4.835 pacientes revelou que o horário com menor função pulmonar era por volta de meio-dia, aumentando durante a tarde até atingir seu pico entre 16h e 17h.

Nós normalmente associamos o final do dia de trabalho com cansaço e pouca motivação para exercícios físicos; porém, a função pulmonar parece estar na sua melhor forma nesse período.

Cientistas das universidades College London e Warwick, da Grã-Bretanha, afirmam que a respiração aumenta de acordo com o nível de atividade física realizada, através do aumento de gás carbônico que faz com que moléculas de ATP (Trifosfato de Adenosina) sejam liberadas pelas regiões do cérebro sensíveis ao CO2. Essa é a mensagem do cérebro para controlar a respiração e para que o nível de gás carbônico volte ao normal (reduza).

Não importa se uma pessoa está correndo para disputar uma medalha olímpica ou simplesmente correndo para pegar um ônibus, o corpo precisa aumentar a respiração para garantir a absorção de oxigênio suficiente para os músculos e a liberação de mais gás carbônico durante a corrida.

Sempre foi de vital importância saber que a respiração acompanha as necessidades de oxigênio e permite que a quantidade de gás carbônico apropriada seja liberada. Os exercícios em lugares abertos ou ar livre promovem uma melhor absorção do oxigênio. Por outro lado os locais fechados concentram o CO2.

As janelas de casa precisam se manter abertas durante o dia para garantir um suprimento de oxigênio adequado; dormir com janelas abertas, promove também um melhor suprimento de oxigênio, garantindo um melhor sono e restauração das funções cerebrais.

As dona de casa devem cuidar com a cozinha, pois concentra alta quantidade de CO2 e outros gases na hora em que o fogão e forno estão ligados. As janelas devem ser abertas para haver troca do ar saturado por um ar puro.

OS QUATRO INIMIGOS DA SAÚDE


Há um quarteto de substancias que tem matado muitos milhões de pessoas. E quando elas estão associadas, o perigo se dimensiona.

A Nicotina, Cafeína, o Etanol e as gorduras animais são as grandes responsáveis pela maioria das mortes evitáveis no planeta. Milhões de pessoas morrem anualmente com doenças do coração e pulmão e cérebro, devido aos efeitos devastadores destas substâncias.

A combinação do cigarro com o café potencializa os efeitos nocivos dos dois vícios ao coração, segundo um estudo da Escola Médica de Atenas. Testes feitos pela equipe grega indicaram que o fumo e a cafeína agem de forma combinada, danificando as artérias e o fluxo sangüíneo.

Como os cientistas já suspeitavam, a ação conjunta se revelou pior do que a soma dos efeitos de cada substância tomada isoladamente. As conclusões do estudo foram publicadas na revista Journal of the American College of Cardiology.

Embora o estudo tenha mostrado que as duas substâncias são mais nocivas quando combinadas, os pesquisadores disseram que os efeitos ainda são pouco conhecidos. A Fundação Britânica do Coração, afirma que parar de fumar é a medida mais eficaz que alguém pode tomar para não ter problemas do coração.

Um grupo internacional de cientistas afirmou que o etanol causa tantas mortes e doenças quanto o cigarro. O estudo foi publicado na revista médica The Lancet. Segundo o estudo, os únicos fatores que causam mais danos à saúde do que álcool e cigarro são a obesidade e o sexo sem proteção.

Os pesquisadores descobriram que cerca de 4% das contas destinadas à saúde em todo o mundo são dedicadas ao tratamento de doenças relacionadas ao álcool, comparados aos 4,1% de doenças relacionados ao tabaco e 4% relacionados à pressão alta.

Como o álcool está ligado a mais de 60 doenças diferentes, os cientistas que fizeram a pesquisa estão agora fazendo um apelo por medidas internacionais para reduzir os danos provocados por ele. De acordo com a correspondente de saúde da BBC Ania Lichtarowicz, o estudo mostra que há muito mais riscos relacionados ao álcool do que somente a já conhecida cirrose hepática.

O álcool pode ser associado a câncer, doenças do coração, desordens psiquiátricas, acidentes e ferimentos causados por violência.E, segundo o estudo, esses problemas de saúde são mais comuns em países onde as pessoas bebem mais.

Em países islâmicos do Oriente Médio e da Ásia, onde bebidas alcoólicas não são tão comuns, apenas pouco mais de 1% de doenças e mortes são causadas por álcool.Mas em certas partes do leste da Europa e da Ásia Central, onde o consumo é alto, problemas de saúde relacionados ao álcool respondem por mais de 12% das doenças e mortes.

O acúmulo de gordura nas paredes da artérias, chamado arteriosclerose, é uma das principais causas de derrames e ataques cardíacos, que matam 16,7 milhões de pessoas por ano no mundo.

Um estudo do Texas, publicado no Journal of the American College of Cardiology, envolveu 2.744 pessoas - entre homens e mulheres - e sugere que uma cintura de 81 centímetros para mulher e 94 centímetros para homem representa uma elevação "significativa" do risco de problemas cardíacos.

A gordura que se acumula em volta da cintura parece mais ativa biologicamente na medida em que secreta proteínas inflamatórias que contribuem para o acúmulo de placa arteriosclerótica. O segredo é as pessoas impedirem o acúmulo de gordura na cintura na juventude.

E a proporção de cintura para quadril se mostrou mais ligada a estes sinais prematuros de doenças cardiovasculares do que o índice de massa corporal (IMC) ou a medida da circunferência da cintura tomada isoladamente.

O IMC é calculado dividindo o peso pela altura ao quadrado. Uma pessoa que pesa 55 kg e tem 1,70 m de altura, por exemplo, tem o IMC de 19,03 kg/m². Especialistas em saúde das Nações Unidas recomendam que o IMC fique em torno de 18,5 kg/m² e cerca de 25 kg/m².

Os alimentos que mais promovem o acúmulo de gordura no corpo são os alimentos calóricos ou carbohidratos. Refinados como o açúcar, bolos, biscoitos, gulosiemas etc, são todos transformados em gordura em nosso organismo.
Os alimentos de origem animal (carnes) são as principais vilãs para a formação da placa de arteriosclerose. Diminuir os alimentos calóricos e substituir por grãos integrais, e eliminar a carne da dieta, são ótimas atitudes preventivas para a saúde do coração.

H1N1 – O VÍRUS


Vários animais possuem o vírus da gripe, mas são os porcos (e recentemente as aves) que permitem em seus organismos o desenvolvimento da doença de tal forma que se torne infectiva a humanos. O desenvolvimento de um pandemia de gripe pode ser considerada o resultado da
transformação de um vírus de gripe animal em um vírus de gripe humano.

A gripe é causada pelo vírus influenza, que são vírus RNA de hélice única da família
Ortomixiviridae e estão subdivididos em três tipos antigenicamente distintos: A, B e C. Os vírus influenza A são classificados de acordo com duas proteínas de superfície; podem sofrer alterações em sua estrutura, propiciando o surgimento de novas cepas, contribuindo para a ocorrência de epidemias e pandemias de gripe.

O vírus do tipo A é mais susceptível a variações antigênicas, contribuindo assim para a existência de diversos subtipos, sendo então responsável pela ocorrência da maioria das epidemias de gripe. As duas proteínas virais na superfície exterior do vírus - hemaglutinina (H) e neuraminidase (N), determinam o nome dos vírus da Influenza A – H1N1. São duas proteínas que recombinadas ano a ano nos porcos e que determinam o ‘novo vírus’ e um novo surto.

Assim os vírus influenza apresentam diversidade antigênica e genômica a cada ano; ele se recombina geneticamente e consegue acessar o organismo humano. Essa recombinação ocorre nos porcos que funcionam como verdadeiros laboratórios vivos.

Do ponto de vista biológico, uma das explicações para a emergência de cepas epidêmicas ou pandêmicas remete para as características do genoma viral do vírus influenza A e da existência de múltiplos reservatórios do agente infeccioso na natureza (criação de porcos), o que favorece a ocorrência de mutações pontuais durante o processo de replicação do genoma viral, promovendo a formação de novas cepas (também chamadas novas variantes) dentro de um mesmo subtipo.

Os subtipos são determinados por duas glicoproteínas localizadas na superfície do envelope viral, a hemaglutinina (H) e a neuraminidase (N). Até o momento, já foram identificadas 16 glicoproteínas H e 9 glicoproteínas N em animais, incluindo o homem.

Se essas novas variantes apresentam alguma identidade antigênica com a variante anterior, ou seja, resultam de um processo de evolução dentro de um mesmo subtipo, chama-se de alterações drift (Stambouliam et. al., 2000). No entanto, distintos subtipos infectam diferentemente aves e mamíferos e dependendo das condições ambientais e das alterações drift, subtipos específicos de aves podem infectar mamíferos.

Quando isso ocorre, existe a probabilidade de dois ou mais subtipos infectarem simultaneamente um mesmo hospedeiro ou reservatório. Com isso, pode ocorrer a troca de genes entre diferentes subtipos, fenômeno conhecido como rearranjo ou alterações shift. Esses novos subtipos formados são potencialmente pandêmicos, pois há pouca identidade antigênica entre subtipos com diferen-ças expressivas nas hemaglutinina e neuraminidase, tornando toda a população humana suscep-tível a esse novo subtipo. Essas mudanças só são possíveis no organismo do porco e humanos.

Apesar do vírus ser recombinante em humanos, nunca tivemos o H1N1 nas vias aéreas em nosso organismo. O vírus da gripe é um agente etiológico alheio a microbiota de humanos.

ZOONOSES


Qualquer infecção ou doença que é naturalmente "transmissível de animais vertebrados" é classificada como um zoonose; ou seja "Zoonoses são doenças comunicáveis comum ao homem e animais". Foram descritos mais de 200 zoonoses e elas são conhecidas desde muitos séculos. Elas envolvem todos os tipos de agentes: bactérias, parasitas, vírus e agentes não convencionais.

Por exemplo, na América Latina 100 entre 100 mil habitantes sofrem de Cisticercose (estimativa). Cisticercose/Taeniase é causada por um parasita que vive em suínos e causa epilepsia, dor de cabeça e muitos outros sintomas em humanos. (OMS, 2009)

A Tungíase é uma parasitose produzida por uma pulga, a Tunga penetrans; acomete a pele principalmente dos pés, mas podendo atingir qualquer parte do corpo que entrar em com o solo contaminado. “A profilaxia consiste em não andar com os pés descalços e em afastar os porcos, que são os principais hospedeiros naturais do parasita”. (GARNIER, 1984)

O agente causal da Tuberculose é uma bactéria do Gênero Mycobacterium, que possui várias espécies patogênicas; o M. tuberculosis causa a tuberculose humana. Mas o M. avium causa a tuberculose “freqüentemente em suínos” desenvolvendo também em humanos uma tuberculose semelhante a cepa bacteriana do M. tuberculosis. “Em alguns casos documentados, causou Tuberculose humana” através do consumo de carne suína. (DAVIS, 1973)

A Trichinellose é uma parasitose que os suínos se infestam com a Trichinella spiralis devorando os ratos parasitados que aparecem nas proximidades dos chiqueiros, ou ingerindo os restos dos matadouros, onde se encontre material proveniente de suínos trichinelosos. Os ratos se contaminam por sua vez, com os restos dos porcos , ou quando se entredevoram, nos seus hábitos de canibalismo. A trichinellose no homem decorre principalmente pelo uso de carne de porco mal cozida. (COUTINHO,1951)

O Fasciolopsis buski é um parasita trematódeo intestinal, “frequentemente encontrada em porcos, que servem como reservatório natural”; causa a Fascíola – “os sintomas incluem diarréia, dor epigástrica e náusea (...) e ulceração da mucosa” nos humanos. (HENRY, 1999)

O Sarcocystis spp é um Coccodio, parasita intetinal de animais, que quando acomete humanos causam infecção intestinal pelo “S. suihominis adquirida pela ingestão de bife de carne de porco cru ou incompletamente cozido, que contenha cistos teciduais (sarcocistos).” (HENRY, 1999)

O Balantidium colli é um parasita ciliado que acomete o intestino humano com desinteria e ulceração do cólon. “A infecção de humanos... é adquirida a partir de porcos, que estão comumente infectados”. (HENRY, 1999)

As amebas são muito comuns no diagnóstico de distúrbios intestinais; o gênero Entamoeba inclui várias amebas, inclusive a “E. polecki, que ocasionalmente encontrado em pessoas que tenham contatos com porcos”. 114 Embora seja raro o seu diagnóstico, é o contato usual com o animal que determina a parasitose, sendo comum entre os criadores e os manejadores dos suínos. (HENRY, 1999)

A Toxoplasmose é uma parasitose cosmopolita dentre as mais incidentes; é causada pelo Toxoplasma gondii; “os humanos adquirem a infecção com o T. gondii através da ingestão de carne inadequadamente cozida especialmente (...) de porco”. (HENRY, 1999)

A Salmonelose é uma afecção de febres entéricas (intestinais) sendo a espécie mais letal a S. typhy que causa a febre tifóide. A taxa de contaminação de Salmonellas ocorre em vários animais domésticos e selvagens, chegando a “50% em suínos”. (DAVIS, 1973)

Nenhum animal transmite tantas doenças quanto os suínos; mas isto devido ao uso da carne do animal como alimento variado. Desde as patas até as orelhas destes animais são aproveitadas para consumo; daí a variedade de microorganismos transmissores de doenças.

GRIPE – QUAL A ORIGEM DESTA DOENÇA?


Obs. A foto ao lado é do vilarejo de La glória, estado de vera Cruz no México (satélite).

A gripe é uma doença de porcos que alcança os humanos como qualquer outra zoonose (doenças animais transmissíveis a humanos). Não é uma patologia humana, mas uma doença de animais que se adaptou aos humanos. A adaptação se dá devido a alta afinidade do vírus em se recombinar e enganar o nosso sistema imunológico.

É o contato com os animais que permitiu o vírus nos alcançar. Devido a essa alta capacidade do vírus em se recombinar geneticamente, e o suíno ser um organismo biológico eficiente para essa recombinação genética, a doença em humanos é altamente eficaz e renovável anualmente.

Essa recombinação genética é como se o vírus ganhasse um novo casaco a cada ano para ficar diferente e enganar o sistema imunológico. A gripe, em seu ciclo anual, sai dos fucinhos dos porcos nos criadouros, principalmente da Ásia. É o manuseio dos criadores, o contato com os animais e suas fezes, que fazem os vírus afinal alcançar o organismo humano.

Embora a mídia e até a OMS afirme que a carne do animal não transmite a gripe, eles o fazem confiando na fiscalização sanitária e no controle de zoonoses que os animais passam. Também deixam claro que a carne deve ser bem cozida a temperaturas ideais; isto porque se houver algum animal infectado que tenha escapado ao controle sanitário, o vírus venha a morrer durante o cozimento. Ou seja, a possibilidade de contrair o vírus ingerindo a carne existe.

A busca pelo ‘paciente zero’ em cada epidemia anual é uma verdadeira cruzada; nesta epidemia de 2008 a primeira vítima foi um garoto de 4 anos. A cidade natal do menino é La Gloria no estado de Vera Cruz, México.

La Glória está perto de uma fazenda de porcos que comercializa quase 1 milhão de animais por ano. A fazenda, Granjas de Carroll no México é possuída em parte pela Food´s Smithfield, uma companhia de EUA Virgínia, que é o maior produtor de suínos do mundo e processador de produtos de carne de porco.

Os moradores de La Gloria se queixaram há muito tempo das nuvens de moscas que saem das “lagoas de adubo” (fezes dos porcos) mantidas pela mega-fazenda. Quando ficou conhecido que havia um surto de uma doença grave das vias respiratórias, mais cedo em La Gloria, pois alguns dos residentes da cidade ficaram doentes em fevereiro deste ano; os trabalhadores da área de saúde intervieram logo, borrifando substâncias químicas para matar as moscas que estavam enxameando pelas casas das pessoas.

Foram desde fevereiro 149 mortes e outros 2.000 tinham sido hospitalizados com “pneumonia séria”, embora pelo menos a metade tenha feito recuperação. Isso só em La Glória. Hoje (15/05) são 34 países afetados e mais de 1000 casos confirmados pelo planeta.

A origem da doença esta na pratica humana de criar e usar os animais reservatórios do vírus para consumo. Não há dúvidas sobre isto, mas os responsáveis não são os animais, e sim os homens.

EPIDEMIA – O MAL DO SÉCULO 21


A história relata muitas epidemias, principalmente na idade média e a mais conhecida é a peste negra em 1347, causada pela bactéria Yersínia pestis, que matou um terço da população da Europa. Em nosso século recente e nas duas últimas décadas do último século as epidemias são uma triste e permanente convivência. Em momento algum da história humana o planeta conviveu com mais de uma epidemia ou pandemia como temos presenciado na atualidade.

Um dos sinais deixados por Jesus em seu clássico sermão profético no evangelho de Lucas estão as epidemias – “haverá grandes terremotos, epidemias e fomes em vários lugares, coisas espantosas e também grandes sinais do céu” Lc 21:11 RA.

A exemplo do fator deixado por Jesus na versão do sermão profético em Mateus, os sinais alistados estariam se tornando mais freqüentes em períodos de tempo mais curtos como “princípio das dores” Mt 24:8. Este fator fazia referência às dores de parto de uma gestante que se tornam cada vez mais freqüentes em períodos de tempo menores. Paulo usa a figura profética afirmando “como as dores de parto àquela que está grávida; e de modo nenhum escaparão” 1 Ts 5:3 .Assim as epidemias são mais freqüentes em nosso século e com intervalos menores entre elas; sendo algumas até permanentes por décadas.

De todas as doenças infecciosas humanas que emergiram dentro da recente história, a AIDS é um das mais devastadoras. Com mais de 65 milhões de pessoas infetadas e mais de 25 milhões de mortes, o vírus de imunodeficiência humano tipo 1 (HIV-1) representa uma das maiores ameaças de saúde pública sérias do 21º século. Há três variantes principais de HIV-1, que se agrupa em M, N, e O, que é o resultado de transmissão de espécies-cruzadas independentes de vírus de imunodeficiência de símio (SIVcpz / SIVgor) que naturalmente infecta chimpanzés (Pan troglodytes troglodytes) e gorilas (Gorilla gorilla gorilla) no oeste central da África. (...)

O Grupo M é a causa da maioria vasta de HIV-1 das infecções mundial e a fonte da pandemia de AIDS. Em contraste, grupo N e infecções de O responde por uma fração muito menor de casos de AIDS e é restringido para África central ocidental. (Takehisa, J., Generation of Infectious Molecular Clones of Simian Immunodeficiency Virus from Fecal Consensus Sequences of Wild Chimpanzees, Journal Of Virology, July 2007, v. 81, no. 14, p. 7463–7475.)

A SARS foi a primeira grande epidemia do século 21, exigindo atenção da saúde pública e das redes de vigilância sanitária. Na última assembléia geral da OMS em 2003, o ano do ápice da infecção na Ásia, foi discutida a possibilidade de novas doenças tão perigosas como a SARS virem a atingir a população. É uma doença causada por um vírus da família dos coronavírus, e causa uma pneumonia atípica.

O novo tipo de coronavírus teria "saltado" de animais para humanos na província chinesa de Guangdong. No início da epidemia, em 2003, o vírus já havia matado 200 pessoas, e os casos diagnosticados, somente na China, já ultrapassavam a 4 mil; no final do mesmo ano a totalização foram 770 mortes em todo o mundo. A teoria mais aceita seria que um animal silvestre muito consumido na China, o Gato de Argália, ou almiscareiro, seria o reservatório natural do coronavírus.

As evidências históricas sugerem que pandemias de Gripe ocorrem três a quatro vezes por século. No último século ocorreram três pandemias de influenza ("Gripe Espanhola "em 1918-19; "Gripe Asiática" em 1957-58 e a "Gripe de Hong Kong" em 1968-69), sendo que o intervalo entre elas foi de 11 a 44 anos. (STAMBOULIAN, 2000). O pior cenário, o da Gripe Espanhola de 1918-19, provocou em torno de 20 a 40 milhões de óbitos no mundo.

Em todas as últimas três pandemias, identificou-se um aumento da taxa de mortalidade entre pessoas com menos de 60 anos de idade; em 1918-19, a maior taxa de mortalidade ocorreu em adultos na faixa etária de 20 a 40 anos de idade (Canadian Plan, 2004).

As três epidemias são caracterizadas pela ingestão da carne contaminada de animais listados como imundos em Levítico 11.

ENTENDENDO LEVÍTICO 11


Desde a antigüidade o homem relacionou o surgimento de certas doenças e epidemias com a presença ou influência de animais. Das dez pragas do Egito, anunciadas por Moisés (Êxodo 8-10), cinco são animais: rãs, piolhos, moscas, pestes dos animais e gafanhotos.

Levítico 11 proíbe o consumo e o contato com certos tipos de animais. A lista do livro dos sacerdotes exclui o contato e o consumo da carne dos suínos e de dezenas de outros bichos. A relação microbiológica de Levítico 11 como medidas profiláticas para zoonoses endêmicas parece ser uma conclusão que pode favorecer e justificar a “diferença entre o imundo e o limpo, e entre os animais que se podem comer e os animais que não se podem comer.” Lv 11:47

O conceito básico em Levítico seria que os microorganismos infecciosos determinariam o estado de “imundo” e a ausência destes, ou uma microbiota não infectante determinaria o estado de “puro” ou “limpo”. Embora humanos “puros” e animais “limpos” ainda possuam microorganismos aos milhares, é o potencial infectante destes microorganismos que determinaria o estado de impureza em algumas situações.

Os animais imundos podem estar encaixados naqueles que hoje são classificados como reservatórios. É onde a doença se origina. Em geral se diz que o reservatório perfeito é aquele que possui o agente etiológico sem manifestar sintomas (...) para humanos ou animais que sirvam como fonte de infecção.

A regra de diferenciação dos animais limpos e imundos se refere aos animais quadrúpedes que parte da seguinte diferenciação – “unhas fendidas, e a fenda das unhas se divide em duas, e remói” v.3. a) unhas fendidas b) remoer.

As unhas fendidas são uma característica dos animais do pasto. Herbívoros de forma geral possuem as unhas fendidas. Isto pode indicar a tendência de usar as fontes de pastagem limpas, ou não serem animais que recorram à rapina ou a lama para busca de nutrientes.

Os animais como o coelho e a lebre (v. 4 e 5) que são classificados na Bíblia como ruminantes, podem ser assim indicados porque os hebreus tinham esse conceito. No entanto eles se constituem como reservatórios de microorganismos patogênicos ao homem, por isto são listados como imundos. Isto talvez indicados  seus hábitos de caça e alimentação.

O hábito de remoer é uma das grandes barreiras fisiológicas dos animais limpos que determinam a sua característica em manter-se livres de microorganismos que possam ser patogênicos ao consumidor da sua carcaça.

Os ruminantes, grupo de mamíferos que incluem bois, carneiros, cabras são animais que pastam e cuja alimentação consiste em capim ou forragens verdes. O principal constituinte orgânico dos tecidos vegetais é a celulose. Nenhum mamífero fabrica enzimas ou celulases, que decomponham a celulose em açucares solúveis e absorvíveis para suprimento energético. Mas os ruminantes possuem um mecanismo que faz esse processo em associação com microorganismos que decompõem a celulose.

O trato digestivo de um ruminante contém nada menos de quatro estômagos sucessivos. Os primeiros dois, conhecidos como ‘rume’, são essencialmente vastas câmaras de incubação onde fervilham bactérias e protozoários. Na vaca, o rume é uma bolsa com capacidade de 100 litros. Os materiais ingeridos pela vaca são misturados com copiosa quantidade de saliva e depois passados ao rume, onde são rapidamente atacados por bactérias e protozoários. A população microbiana total é enorme, sendo a densidade da população da mesma ordem a de espessas culturas bacterianas de laboratório (1010 células por mililitro).

A grande diferenciação dos ruminantes está no reaproveitamento destas imensas culturas de microorganismos em seus 4 estômagos para utilização como fonte de proteína, vitaminas e outros oligo-elementos. A vitamina B12 tão essencial para os herbívoros (ou vegetarianos estritos como os bovinos) são obtidos “pela destruição das células microbianas que se desenvolveram em seu próprio rume”.

Muitos microorganismos são destruídos antes de alcançarem o intestino ou a circulação sanguínea destes herbívoros ruminantes, e a Vitamina B12 é sintetizada a partir da matéria orgânica dos aglomerados de bactérias e protozoários. Os ruminantes destroem e reaproveitam os microorganismos que poderiam se tornar infectantes.

As duas características deixadas em Levítico é uma salvaguarda para diferenciar que aimais possuem microorganismos patogênicos ao homem. Os porcos são animais que apesar de terem o casco dividido, não ruminam.

Jesus também destruiu uma manada de porcos de aproximadamente dois mil animais, em cuidado aos habitantes da cidade de Decápolis.

Jesus mesmo havia criado a regra de Levítico 11 e nesse episódio reprovou a atividade de criar porcos daquela cidade.

ENTENDENDO AS EPIDEMIAS


Nas duas últimas décadas do Século 20 e no início deste século, grandes doenças preocupam as autoridades sanitárias do planeta, levando ao surgimento de epidemias, causando a morte de milhões de pessoas.

A AIDS, a SARS, a Gripe (aviar e suína), Encefalopatia Espongiforme (Mal Da Vaca Louca) são doenças fatais, diferentes entre si, mas que tem causado pânico, comoção social e até discriminação.

Três destas doenças, surgiram a partir de animais chamados de´reservatórios´naturais dos vírus causadores das doenças.

Levíticos 11, contem uma lista de animais considerados imundos. Hoje se sabe que os animais descritos assim são os reservatórios de certos microorganismos patológicos (parasitas, vírus, bactérias e fungos) ou que causam doenças.
Todos os seres vivos possuem microorganismos (flora microbiológica normal), mas os animais listados como imundos possuem microorganismos patológicos (caso do gato – que o consumo de carne é proibido no Brasil por ter o parasita Toxoplasma gondii – causador da toxoplasmose).

Lemos na Bíblia em Levíticos 11:46 “Esta é a lei dos animais, e das aves, e de peixes ... para fazer diferença entre o imundo e o limpo e entre os animais que se podem comer e os animais que se não podem comer.” - quando Deus classificou como imundo estava colocando uma restrição nos que são nocivos ao homen. Os animais convivem com determinados vírus ou parasitas (simbiose) mas no homem, alguns causam doenças.

O termo imundo foi uma medida sanitária instituída por Deus para controlar a qualidade do consumo de carne. Hoje (3500 anos depois) um controle de qualidade similar, é feito pelo Ministério da Saúde e pela Vigilância Sanitária.
Orientações Milenares e Universais.

O capítulo 11 de Levíticos é conhecido pelos cristãos e muçulmanos, que, alguns se opondo, outros aderindo às suas orientações, criou segmentos doutrinários por todo mundo.

Uma análise puramente científica não só do capítulo 11 mas das Leis de Saúde que Moisés recebeu diretamente de Deus para os Israelitas, nos fazem perceber princípios gerais de higiene, profilaxia e prevenção.

As regras para o consumo de carnes de animais, classificados na época como ´imundos e limpos´, a um século e meio foram ampliadas diante das descobertas feitas na Microbiologia. Bactérias, Vírus, Parasitas e Fungos foram trazidos a luz pelo microscópio e relatados como os responsáveis por doenças que eram tidas como ´castigos divinos´. Na realidade Deus já havia por milênios orientado a raça humana para evitar muitas doenças, através do Livro de Levíticos.

Gripe – a grande epidemia
Apesar da Gripe Espanhola levar esse nome, ela se originou no Oriente e matou mais que a Peste Negra e a 1a Guerra Mundial. Pandemias como esta de 1919 que infectou 1 bilhão de pessoas e matou outras 22 milhões em um só ano, tem como responsável um vírus da família Influenza, que os reservatórios naturais são os porcos.

Ícone dos animais imundos de Levíticos 11, o porco já foi muito condenado e defendido também; mas anualmente, dos criadouros de vilarejos asiáticos saem por todo mundo, cepas virais novas, trazendo a nossa ´Gripe de cada Ano´. Sem perspectivas de vacinas, a gripe segue seu ciclo anual vindo diretamente dos focinhos úmidos dos porcos, para o nosso nariz !

É o convívio com os animais e o consumo da sua carne, que trazem doenças como a Gripe comum, SARS e a Gripe Aviar aos humanos, e ainda dezenas de outras doenças.
As noticias insistem em dizer que não se pega a gripe suína comendo a carne ou derivados do porco, porque o cozimento neutraliza o vírus. Mas não é esclarecido ao consumidor (por motivos comerciais) que se no açougue, a carcaça do animal estiver contaminado somente o contato usual com a carne irá contaminar as pessoas que o abateram, as que transportaram, comercializaram e também as que manuseiam na cozinha de casa.

Se o animal for contaminado nas fazendas e sair dali, mesmo abatido, irá ‘carrear’ o vírus. Até a carne ser cozida na panela do consumidor as mãos de muitos indivíduos estarão contaminadas. Não somente mãos mas utensílios de cozinha, maçanetas de restaurantes etc. Assim animais vivos e abatidos podem transmitir o vírus ou carrear em suas carcaças.

O vírus da gripe sobrevive até 36 horas em locais inusitados como maçanetas, botões de elevador, sem mencionar durante o transporte dos animais em caminhões, que muitas vezes se dá em gaiolas abertas exalando mau cheiro e jogando sujeira (fezes) pelo ar das estradas.

Doenças Modernas – Vilões antigos
Os vilões são os microorganismos patogênicos, com poder de infectar e causar doença. Não é só na Ásia e na África que os vilões estão a solta. No Brasil a Toxoplasmose é uma epidemia branda, que circula por grande parte da população; alguns autores dizem estarmos imersos em um oceano de Toxoplasma.

O Vírus Toxoplasma gondii que vive naturalmente em gatos e pombos, acaba sendo transmitido pelo consumo de carne e contato com as fezes, levando a doença que pode se manifestar de acordo com o estado imune do indivíduo ou quantidade do vírus ingerida.

Vírus, bactérias e parasitas convivem em harmonia com seus hospedeiros naturais ou em seus habitats, mas a interferência do homem em invadir o seu nicho ou usá-los como alimento, é que trazem as complicações.

Esses microorganismos não causam mal algum ao animal com o qual convivem, muitos deles oferecem benefícios em uma relação simbiótica com o hospedeiro; o problema é quando esses microorganismos alcançam um hospedeiro diferente – o homem. Ingerido, inalado ou ativamente se introduzindo no organismo humano, esses vírus e parasitas procuram compartimentos biológicos parecidos com o do seu hospedeiro natural, e colonizam células, órgãos e tecidos de nosso corpo trazendo alterações e disfunções graves em nosso frágil organismo.

Desde o simples parasita Taenia solium, que causa a doença cisticercose, por ingestão da carne do porco, até o complexo HIV e o mais recente H5N1 da Gripe Aviar, todos eles são elementos estranhos que foram introduzidos por ignorância e imprudência do homem, fazendo surgir as modernas doenças.

O Criador já previa essas interferências, e as orientações de Levítico 11 são na realidade medidas profiláticas e de prevenção, que nos livrariam destes males modernos.

A AIDS tem sua origem em um vírus (HIV) que é encontrado em macacos (chipanzés) da África; a SARS recentemente divulgou-se tendo origem nos gatos-de-algália da China; e a Gripe Aviar nos porcos, que o vírus H5SN1 alcançou os frangos e patos das regiões do Ásia-oriental.
Os mecanismos de infecção das doenças, nos fazem relembrar as milenares orientações de Deus aos Israelitas, mas que se ampliam a toda humanidade por fazerem parte de regras sanitárias universais da saúde.

Com exceção da AIDS, a SARS e a Gripe Aviar, e o Mal da vaca louca tem levado o extermínio de milhares de animais, para que o consumo de suas carnes, e o contato em cativeiro, não venham a infectar mais pessoas.

Mas a AIDS também tem sua origem na ingestão de carne de animais (macacos) que eram reservatórios naturais do HIV. Alguns pesquisadores na década de 90, em permanência na África, observaram que vilas e pequenos vilarejos, possuíam feiras onde toda espécie de animais eram vendidos (cobras, ratos, macacos) para consumo humano.
Umas das teorias para a origem do HIV no organismo humano, é a ingestão da carne de macaco; sendo o chipanzé o ´reservatório´ natural do HIV.
Uma antiga Vacina
Epidemias como da AIDS, tem levado o mundo científico a extensos trabalhos para se achar uma vacina. Cerca de 28 milhões de pessoas já morreram de AIDS; 42 milhões são portadoras do HIV e 8 mil pessoas morrem todo ano da doença. Isso porque a promiscuidade sexual e a globalização facilitaram a distribuição do vírus por todo o planeta.

Mas é bom saber que Deus nos deixou orientações eficazes, e que nos previnem de tais doenças.

Leviticos 11 contem medidas, que seguidas em nossas vidas, nos levarão a uma prevenção inteligente, nos livrando do contágio de tais doenças. Essa é a antiga vacina – “Se ouvirdes estes preceitos ... o Senhor te desviará de ti toda enfermidade; não porá sobre ti nenhuma das más doenças dos egÍpcios, que bem conheces” Deuter.7:15

Uma Dieta mais Antiga
“E disse Deus ainda: Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a terra e todas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento.” - Gen. 1:29. O regime que Deus institui para o homem ao ser criado não constava de carne.

O que vemos no cenário mundial, é uma batalha diante de antigos princípios que estão sendo ignorados, ou sequer são conhecidos.

A Gripe Aviar (Gripe do Frango) causou várias mortes no Japão em 1997 e volta a causar pânico em várias partes da Ásia e Europa, devido ao alto poder de contágio da doença; assim como a SARS, a Gripe Aviar leva a uma pneumonia aguda, podendo ser fatal, e não possui vacina ou pesquisa em andamento.

A Gripe Aviar é causada pelo vírus H5N1, sua origem foi divulgada recentemente como sendo dos porcos, mas que alcançaram as aves de consumo – os frangos e os patos.

O contágio se dá pelo contato com a ave, inalando-se partículas de fezes suspensas no ar, e tambem pela ingestão da carne, do animal infectado; daí o sacrifício de milhões de aves. Na Inglaterra, em 1997 foram 1,4 milhão de aves mortas, na Coréia do Sul o governo comprou 2 milhões de aves, para abatê-las e impedir o consumo da população.

Uma outra doença secundária ao homem, mas que atinge os animais (bovinos) usados extensivamente como fonte alimentar, é o ´Mal da Vaca Louca´; doença que causa degeneração espongiforme no cérebro do animal, e pode infectar tambem o homem se a carne for ingerida.

A Encefalopatia Espongiforme surgiu na década de 90 mas casos recentes como dos rebanhos norte-americanos, mostram quanta insegurança existe apesar da tecnologia dos países industrializados como os EUA e Canadá, que sofrem com a doença.
A Encefalopatia Espongiforme tem causado pânico na Inglaterra, Estados Unidos e Canadá .De acordo com a comissão do governo encarregada de monitorar a doença, existem hoje 86 CASOS conhecidos da síndrome de Creutzfeld-Jakob (CJD, em inglês), que é a versão humana da doença.

A doença de CJD, a equivalente humana da doença da vaca louca, causa a degeneração do cérebro e pode ser fatal. O professor de patologia norte-americano Stephen Dearmond, diz que a descoberta é preocupante e que o tempo de incubação da doença pode chegar a até vinte anos.

A síndrome de CJD não tem cura, é fatal, e é semelhante à doença da vaca louca em gado bovino. Milhares de bovinos já foram sacrificados, na perspectiva de se erradicar o vírus, mas como a Febre Aftosa no Brasil, a perspectiva é que, apesar das vacinas, se conviva com o vírus em rebanhos que são usados para o consumo da carne pela população.

RANKING DOS ALIMENTOS


A Universidade de Yale, nos Estados Unidos, com uma equipe de profissionais de diversas instituições criou o ranking de classificação NuVal System (Overall Nutritional Quality Index, ou Índice Geral de Qualidade Nutricional). Nesta listagem cada produto recebe uma pontuação, e quanto maior ela for, maior o valor nutritivo do alimento e o benefício que ele causa.

Os cientistas americanos criaram duas listas ou grupos de alimentos; o primeiro grupo apresentam a pontuação máxima que classifica o valor nutricional em escala de 1 a 100 - ou seja, estão entre os mais nutritivos e saudáveis que existem.

Os alimentos do segundo grupo, por outro lado, ocupam os últimos lugares na lista e são aqueles que não oferecem nutrição e não fazem bem a saúde.

A lista dos alimentos bons e ruins surgiu diante das variadas e confusas informações nos rótulos e embalagens dos produtos.

“O ranking se baseia em uma fórmula que mede a qualidade nutricional de alimentos e bebidas com base em critérios já estabelecidos por profissionais de nutrição, saúde pública e médicos. E critérios foram usados para quantificar a presença de mais de 30 componentes - como vitaminas, minerais, fibra e anti-oxidantes, açúcar, sal, gorduras trans, gordura saturada e colesterol - nos alimentos. O sistema também mede a qualidade da proteína, da gordura e do carbohidrato, assim como as calorias e a presença de gorduras ômega-3”.

“Os componentes "bons" são, entre outros, fibras, vitaminas A, C, D, E, B12, B6, potássio, cálcio, zinco e ferro.Açúcar, colesterol, sal, gordura saturada e gordura trans, quando presentes em um alimento, baixam sua posição no ranking. Segundo a fórmula, se um alimento é rico em componentes considerados favoráveis à saúde, sua posição no índex NuVal sobe”.

Os alimentos com 100 pontos são os que mais causam benefícios. A seguir o Ranking:
Damasco: 100
Aspargo: 100
Vagem: 100
Blueberry (vacínio): 100
Brócoli: 100
Repolho: 100
Couve-flor: 100
Kiwi: 100
Alface (verde e roxa): 100
Quiabo: 100
Laranja: 100
Espinafre: 100
Morango: 100
Cenoura: 99
Toranja (grapefruit): 99
Abacaxi: 99
Ameixa: 99
Manga: 93
Batata: 93
Cebola roxa: 93
Tangerina: 93
Banana: 91
Milho: 91
Uva: 91
Maracujá: 78

A lista dos alimentos que não são saudáveis segue o mesmo critério, quanto mais baixo os pontos, menos benefícios e mais prejuízos a saúde. Segue o Ranking dos piores:

Picolés: 01
Refrigerantes: 01
Chocolate ao leite: 03
Pão branco: 09
Chocolate meio amargo: 10
Costelinha de porco: 25
Peito de peru sem pele: 48

Os melhores pontos dos alimentos da lista de não saudáveis não animam nenhum nutricionista a recomendar em seu cardápio. E os campeões dos malefícios são aqueles que as crianças mais consomem.

Fonte: BBC

10 HÁBITOS QUE FARÃO VOCÊ VIVER 100 ANOS


Resumo do artigo publicado no U.S. News em 20/02/2009 (Fonte: www.ueb.org.br)

1. NÃO SE APOSENTE
“Nas sociedades onde as pessoas param repentinamente de trabalhar, há uma explosão da incidência de obesidade e doenças crônicas depois da aposentadoria,” disse Luigi Ferrucci, diretor do Estudo Baltimore sobre Envelhecimento. A região de Chianti na Itália, com alta porcentagem de centenários, tem uma visão diferente do tempo de folga. Depois que se afastam de seus empregos, eles gastam a maior parte do dia trabalhando em seus sítios, cultivando uvas e vegetais. Eles nunca são realmente inativos.

Cultivar o solo não é para você? Seja voluntário em Creches, Escolas, Asilos, ou junte-se a um grupo de voluntários e participe de projetos comunitários. O ambiente das igrejas é muito favorável pois há constantes reuniões, encontros, atividades em grupo. Fazer parte de uma comunidade religiosa é um fator para a longa vida.

2. USE O FIO DENTAL DIARIAMENTE
O fio dental pode ajudar a manter suas artérias saudáveis. Um estudo da Universidade de Nova Iorque em 2008 mostrou que usar o fio dental diariamente reduziu na saliva a quantidade de bactérias causadoras de doenças. Essas bactérias entram na corrente sanguínea e começam uma inflamação nas artérias, maior fator de risco para doenças do coração.

Outra pesquisa mostrou que, os que tem altas quantidades de bactérias em sua boca, tem mais probabilidade de entupir suas artérias, outro sinal de doenças cardíacas. As pessoas deveriam usar o fio dental duas vezes ao dia para conseguir os benefícios de maior expectativa de vida.

3. FAÇA EXERCÍCIO FÍSICO
“O exercício é a única fonte real da juventude que existe,” afirma Jay Olshansky, professor de Medicina e pesquisador do envelhecimento na Universidade de Illinois-Chicago. Grande quantidade de pesquisas tem documentado os benefícios do exercício para melhorar seu humor, acuidade mental, equilíbrio, massa muscular, e os ossos. Os benefícios começam imediatamente após seu primeiro dia de atividade física.

Não se preocupe se você não for um ‘rato’ de Academia. Aqueles que recebem os maiores benefícios são os que saem do comodismo e simplesmente caminham na vizinhança ou pela quadra, 30 minutos por dia.

4. COMA CEREAIS RICOS EM FIBRA DE MANHÃ
Servir-se de grãos integrais, especialmente pela manhã, parece ajudar os de mais idade a manter estáveis os níveis de açúcar no sangue por todo o dia, conforme um recente estudo. Aqueles que fazem isso tem uma baixa incidência de diabetes, um conhecido acelerador da velhice.

5. TENHA UM PERÍODO DE SONO DE NO MÍNIMO 8 HORAS
Em vez de dormir menos para ganhar mais horas de atividades por dia, durma mais para acrescentar anos à sua vida. Dormir é uma das mais importantes funções que seu corpo usa para regular e curar as células.

O mínimo de sono que os mais velhos necessitam para conseguir as fases REM curativas é aproximadamente de 6 horas. Os mais jovens – 7 a 8 horas. Aqueles que alcançam a marca de um século de vida colocam o sono como prioridade máxima.

6. CONSUMA ALIMENTOS INTEGRAIS (NÃO USE SUPLEMENTOS VITAMÍNICOS)
Quem tem altos níveis no sangue de nutrientes – selênio, beta-caroteno, vitaminas C e E – vive mais e melhor e tem baixo índice de declínio cognitivo. Infelizmente não há evidência que tomar comprimidos com esses nutrientes provê os mesmos benefícios anti-idade.

“Há mais de 200 carotenóides, e 200 flavonóides diferentes num único tomate, e essas substâncias químicas tem interações complexas que nutrem a saúde; além do Licopeno e a Vitamina C”.

Evite alimentos brancos pobres em nutrientes (pães, farinha, arroz branco e açúcar) e aproveite-se de todas as frutas coloridas, vegetais, cereais e pães integrais, com todo seu “exército” de nutrientes escondidos neles.

7. SEJA MENOS NEURÓTICO
Os centenários tendem a não internalizar ou enfatizar seus problemas. Eles são fortes e flexíveis ao lidar com as adversidades. Se isso é difícil para você, encontre outros meios de lidar com o stress. Controle os excessos da agenda – horários, reuniões, encontros etc. Você é a prioridade.

Experimente essas dicas: faça exercícios, meditação, ou apenas respire fundo por alguns momentos. Roer as unhas, mascar chicletes em frente à TV, cair na bebida. Isso tudo é péssimo para a sua saúde

8. VIVA COMO UM ADVENTISTA
Os americanos que definem a si mesmos como Adventistas do Sétimo Dia tem uma expectativa média de vida de 89 anos; uma década a mais do que a média nos Estados Unidos.

Uma das doutrinas básicas dos Adventistas é que, é importante cuidar do nosso corpo porque pertence a Deus. Isso quer dizer não fumar, não usar bebidas alcoólicas, e não usar drogas lícitas (cafeína, etanol, evitar medicamentos controlados etc.) e ilícitas (maconha, cocaína, ecstasy etc.).

Eles evitam o açúcar, doces, refrigerantes e chocolates.

9. SEJA UMA CRIATURA DE HÁBITOS
Centenários tendem a viver em rotinas rígidas, comendo o mesmo tipo de dieta e fazendo as mesmas atividades por toda a vida.

Dormir e despertar, nos mesmos horários cada dia é outro bom hábito que mantêm seu corpo em constante equilíbrio; mas que pode ser facilmente rompido com o passar dos anos. “Sua fisiologia fica mais frágil quando envelhece, e fica mais difícil seu corpo recuperar-se se você, perder algumas horas de sono numa noite ou beber muito álcool. Isso pode debilitar suas defesas imunológicas deixando-o mais susceptível a gripe e infecções bacterianas”.

10. FIQUE CONECTADO
Manter contatos sociais regulares com amigos e familiares e comunidades (igreja) é a chave para evitar a depressão, que pode levar a morte prematura. Fato que é mais comum entre viúvos e viúvas.

Os psicólogos acreditam que um dos maiores benefícios que os de idade avançada obtêm do exercício são as fortes interações sociais desenvolvidas ao caminhar com um amigo ou participar de exercícios em grupo. Tendo uma conexão diária com um amigo íntimo ou um membro da família, um companheiro da igreja, há um benefício adicional, com alguém em quem se apoiar.

Tradução sumarizada por Udolcy Zukowski – UEB; Fonte: Jornal U.S. News; adaptado por Dr. I. Augusto

COMER MENOS


Comer menos quantidade e ter menos refeições ajuda a combater o processo de envelhecimento. As calorias não só aumentam o peso corporal, mas também contribuem para o envelhecimento precoce. Adotar medidas restritivas contribuem para a saúde de forma geral. Pessoas que controlam seu apetite e conseguem impor restrições ao próprio corpo são propensas a viver mais.

Cientistas deram mais um passo para entender como a redução do consumo de calorias pode fazer com que as pessoas tenham vida mais longa. A implicação desta descoberta é que com o passar das décadas, você precisa diminuir a ingestão de alimento – seja na quantidade ou na freqüência. Duas refeições diárias para pessoas que se aproximaram dos 40 anos é o recomendado; refeições com pouca caloria e muitas frutas e verduras é o ideal.

Os pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Riverside, identificaram os principais genes envolvidos no processo de envelhecimento e mostraram como a privação de alimentos por períodos longos e curtos pode alterar a forma como esses genes trabalham.

O estudo foi realizado com a ajuda de uma tecnologia que permite aos pesquisadores saber como milhares de genes operam em conjunto. Os cientistas descobriram que ao se reduzir o consumo de calorias no longo-prazo a quase a metade da quantidade normal, algumas dessas mudanças são reversíveis.

E os pesquisadores constataram que a maioria das alterações podem ser revertidas em curto período de relativa abstenção de alimentos, o que dá esperança aos que esperam usar dieta alimentar para tentar retardar o processo de envelhecimento.

Isto quer dizer que se você incluir as restrições ao se cardápio e dieta, o envelhecimento pode ser retardado. Mas essas mudanças tem de ocorrer antes dos 60 anos de idade. Quanto mais cedo houver mudanças mais sucesso haverá no retardamento do envelhecimento.

O fator genético era considerado um fator irreversível e o determinismo de tal conclusão levava as pessoas a desistirem de mudar seus hábitos. Essa pesquisa comprova que aqueles que mudam sua rotina alimentar irão mudar sua propensão genética.

"Restrição calórica também se mostrou ser uma forma eficaz de reduzir a incidência de câncer, e de conter a formação de doenças e tumores decorrentes de idade avançada", diz artigo escrito por Shelley Cao, Stephen Spindler e equipe na publicação científica Proceedings of the national Academy of Sciences.

Pessoas sedentárias não precisam ingerir tantas calorias ou se alimentar mais que duas vezes por dia. Se a terceira refeição for inevitável (porque alguns trabalham de 8 a 12 hs por dia) use as frutas na ultima refeição; transforme essa refeição em um pequeno lanche. Use frutas doces que favorecem o sono.

Lembre-se: comer menos para viver mais.

AGUA DEMAIS


“Quanto mais líquido se coloca no estômago às refeições mais difícil se torna a digestão do alimento; pois o líquido precisa primeiro ser absorvido (...). Mas, se for necessária para saciar a sede, água pura é tudo o que o organismo requer.” CSS, 120.

O uso da água traz benefícios vitais para a saúde, isso cada vez mais tem se mostrado como essencial para benefícios na sexualidade, beleza (juventude), humor e até na recuperação de doenças. Mas o uso correto é fundamental.

O excesso da ingestão de água, e a irregularidade nesta ingestão pode levar a hiponatremia, doença caracterizada pela falta de sódio no sangue e cujos sintomas são letargia, desorientação, ataques epilépticos e deficiências respiratórias.

Isto porque ocorrem duas situações que devem ser corrigidas. Diante da necessidade de ingerir até 2 litros de água por dia, alguns fazem essa ingestão em grandes quantidades de uma só vez. Ao perceberem que não tomaram toda a quantidade, ingerem 500 ml ou até mais de uma só vez.

Uma britânica de 40 anos morreu depois de beber água em excesso como parte de uma dieta de emagrecimento. O caso foi parar na Justiça, que considerou a morte "acidental" e inocentou a empresa responsável pela dieta.

Jacqueline Henson, que pesava 89 kg, passou três semanas seguindo a dieta LighterLife, que sugere o consumo de 4 litros de água por dia, além de 530 calorias diárias (25% do que é recomendado normalmente para as mulheres).

Segundo seu marido, Brian Henson, ela estava "nas nuvens" depois de ter perdido 5,4 kg na primeira semana. Mas uma noite, após ter tomado 4 litros de água em um período de duas horas, Jacqueline perdeu os sentidos e não reagiu a tentativas de ser reanimada. Ela morreu no dia seguinte, vítima de um edema (inchaço) cerebral.

Todo excesso de água no organismo, ao ser excretado leva consigo uma quantidade de sais minerais, especialmente o sódio. Cada pessoa perde uma quantidade diferente de água e sais minerais. O calor e a umidade também são fatores que influenciam nessa perda. Pessoas que são sedentárias e trabalham em salas refrigeradas, não necessitam de ingerir até 2 litros de água, quando 1,5 litros seriam suficientes.

Uma idéia errada, é a que quanto mais clara a urina, melhor para o corpo.Ao contrário, a urina deve ter um tom normal de amarelo claro, e quando muito incolor, indica o excesso de água sendo excretado. O oposto, uma urina em tom amarelo escuro, é a necessidade de ingestão regular de água.

Para os que praticam esporte a água é importante, mas os líquidos repositores de sais nem tanto. Esses líquidos oferecem uma concentração de sais menor do que aquela naturalmente encontrada no corpo humano. Portanto, não repõem os sais adequadamente.

O ideal é o consumo de 250 ml de água (um copo) a cada hora do dia; com exceção de uma hora após pequenas refeições e duas horas depois do almoço.

Durante e após refeições não se deve ingerir água.

Se você quiser beber água ou sucos antes das refeições, beba 10 minutos antes; se a bebida estiver gelada, terá de esperar 20 minutos, para a água ganhar temperatura no estômago e ser absorvida. A quantidade de bebida antes das refeições também altera o início da refeição. Dois ou mais copos de bebida, levam mais tempo para ganharem temperatura e serem absorvidos.