O BENEFÍCIO DO JEJUM

"Estudos mostram que práticas como o jejum ou a restrição calórica estressam as células e contribuem para a ativação do processo de autofagia nas células, o que estimula uma faxina interna no organismo e aumenta a longevidade" Fonte: Revista Veja

A prática do jejum sempre foi considerada como religiosa; mas ele vai além do aspecto da 'penitência' imaginada por algumas religiões.

Nas Sagradas Escrituras existem os mandamentos de saúde, e o jejum é uma destas ordenanças que visam a saúde do adorador.

Esses mandamentos de saúde são inúmeros na Lei ou Pentateuco. Dos três primeiros mandamentos em Gênesis, o segundo (Gn 1.29) é sobre saúde.

"Dietas que pregam o jejum são comuns para a perda de peso, mas, agora, estudos sugerem que a prática pode contribuir para o aumento da expectativa de vida.

Pode parecer estranho, afinal,  todos sabem que uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes é fundamental para uma boa saúde. No entanto, segundo Yoshinori Ohsumi, ganhador do Nobel de medicina deste ano, o jejum faz suas células se comerem – processo chamado de autofagia – e isso te renova.

Agora, pesquisadores se debruçam sobre o assunto para traçar uma indicação de frequência do jejum benéfica e segura" Fonte: Revista Veja

O jejum se faz benéfico até mesmo em situações extremas de doença grave.

"A intemperança no comer é muitas vezes a causa da doença, e o que a natureza precisa mais é ser aliviada da indevida carga que lhe foi imposta. Em muitos casos de doença, o melhor remédio é o paciente jejuar por uma ou duas refeições, a fim de que os sobrecarregados órgãos digestivos tenham oportunidade de descansar. Um regime de frutas por alguns dias tem muitas vezes produzido grande benefício aos que trabalham com o cérebro. Muitas vezes um breve período de inteira abstinência de comida, seguido de alimento simples e moderadamente tomado, tem levado à cura por meio dos próprios esforços recuperadores da natureza. Um regime de abstinência por um ou dois meses, havia de convencer a muitos sofredores que a vereda da abnegação é o caminho para a saúde". A Ciência do Bom Viver, pág. 235.

A auto-fagia das células durante o jejum é um princípio fisiológico que pode ser explorado durante a doença do câncer. Como se trata de uma doença crônica, o jejum com frutas, legumes crus e verduras é a melhor opção para se ter a cura. Essa dieta curativa pode ser seguida por dois meses de acordo com o estágio da doença.

"Não estabelecemos regra alguma para ser seguida no regime alimentar, mas dizemos que nos países onde sobejam as frutas, cereais e nozes, os alimentos cárneos não constituem alimentação própria para o povo de Deus. Fui instruída que a alimentação de carne tende a embrutecer a natureza e a subtrair os homens daquele amor e simpatia que devem sentir uns pelos outros, dando aos instintos baixos o domínio sobre as faculdades superiores do ser. Se a alimentação de carne foi saudável algum dia, é perigosa agora. Constitui em grande parte a causa dos cânceres, tumores e doenças dos pulmões" Conselho Sobre Saúde, pág. 404.


5 COISAS PARA MELHORAR SUA MEMÓRIA


A maneira como você vive, o que você come e bebe, e como você trata seu corpo pode afetar sua memória, tanto quanto sua saúde física e bem-estar. Aqui estão cinco coisas que você pode fazer todos os dias para manter tanto o corpo e a mente afiada.

1. Administre seu estresse.
As constantes  tensões diárias, tais como pressões de prazo ou argumentos mesquinhos certamente pode distraí-lo e afeta a sua capacidade de se concentrar . Mas o maior problema é um sentimento permanente de ansiedade - que pode levar à perda de memória. Se você não tem uma estratégia para gerir o seu stress, protegendo a sua memória é uma das razões para obter um. A respiração profunda, meditação, exercícios ao ar livre, e uma abordagem "atenta" à vida podem ajudar.

2. Tenha uma boa noite de sono.
Pessoas que não dormem bem à noite tendem a ser mais esquecidas do que as pessoas que dormem profundamente. Uma boa noite de sono é essencial para consolidar memórias. A razão mais comum para a falta de sono é a insônia - dificuldade em adormecer ou manter o sono. Infelizmente, muitos medicamentos usados ​​para tratar a insônia também pode prejudicar a memória e função geral cérebro. É por isso que é melhor tentar melhorar seus hábitos de sono primeiro e só depois usar a medicação apenas se essas medidas não ajudarem. Se você precisa de soníferos, use a menor dose pelo menor tempo necessário para obter o seu sono de volta nos trilhos.

3. Se você fuma, pare.
Mais fácil dizer do que fazer, certamente - mas se você precisa de motivação adicional, saiba que fumantes têm um maior grau de perda de memória relacionada com a idade e outros problemas de memória do que não fumantes. As pessoas que fumam mais de dois maços de cigarros por dia na meia-idade têm mais que o dobro do risco de desenvolver demência na velhice em comparação com não fumantes. No entanto, aqueles que param de fumar na meia-idade e aqueles que fumam menos de meio maço por dia têm um risco semelhante de demência como pessoas que nunca fumaram.

4. Se você beber álcool, pare.
Beber muito álcool aumenta o risco de perda de memória e demência. Pessoas com alcoolismo têm tarefas de memória de curto prazo dificuldades para executar, como memorizar listas. Outro tipo de perda de memória associada ao uso de álcool é chamado de síndrome de Korsakoff. Nesta condição, a deficiência de vitamina B1 longo prazo, combinado com os efeitos tóxicos do álcool sobre o cérebro, pode desencadear amnésia súbita e dramática. Em alguns casos esta perda de memória é permanente, mas, se detectada precocemente, o que pode ser revertida em algum grau.

5. Proteger o cérebro de uma lesão.
Trauma na cabeça é uma causa principal da perda de memória e aumenta o risco de desenvolver demência. Sempre use o equipamento adequado durante atividades de alta velocidade e esportes de contato. Usar capacete ao andar de bicicleta, andar em uma motocicleta, patinação in-line, e esqui. Usar cinto de segurança durante a condução de veículos a motor. Acidentes de carro são de longe a causa mais comum de lesão cerebral, e usando um cinto de segurança reduz consideravelmente as chances de lesão grave na cabeça.

Fonte: Harvard Health Publications; Harvard Medical School

VÍRUS EBOLA E LEVÍTICO 11

A epidemia de Ebola que matou até o momento 1300 pessoas na África tem a sua origem no consumo de animais que são classificados como 'imundos' na Bíblia, no livro de Levítico.

A OMS está aconselhando a população dos vilarejos africanos a não consumir carnes cruas de animais como o morcego, macacos e outros tipos de primatas.

Esses tipos de carnes são consideradas como iguarias e são consumidas de forma indiscriminada nos vilarejos africanos.

Mas a lição de Levítico atravessa 3 milênios e nos alcança, mostrando que a Palavra de Deus permanece inalterável.

Mesmo que muitas pessoas digam que são leis ultrapassadas, a evidência das muitas epidemias apontam que elas são ainda válidas.

Em Levítico 11 é dito - "Estes são os animais que se podem comer" - o  mais antigo tratado de leis sanitárias que se tem conhecimento.

As Zoonoses são doenças que são transmitidas de animais para humanos, e no caso de Levítico 11, pelo consumo da carnes de animais que portam vírus, bactérias e parasitas patogênicos.

Levítico11 oferece 5 regras para o consumo da carne de animais, que são as seguintes:
1a - Levítico 11.3-8 - Animais da terra: tem de ter o casco dividido e ruminar
2a - Levítico 11.9-12 - Animais das águas: tem de ter escamas e barbatanas
3a - Levítico 11.12-19 - Animais dos ares: não são dadas características, mas os proibidos são aves de rapina.
4a - Levítico 11.20-23- Insetos: se consumidos, devem ter apenas quatro patas e saltar.
5a - Levítico 11.29 e 30 - Roedores e répteis: todos são imundos.

Os ruminantes com casco dividido são os animais que mais são consumidos; eles possuem 4 estômagos e esse mecanismo anatômico e fisiológico nos ajuda a entender o porquê que se fazem "limpos" e próprios para o consumo.

Os 4 estômagos dos ruminantes oferecem, 4 banhos de ácido [HCl] no estômago múltiplo. Como esses animais comem diretamente do chão, são ingeridos muitos microorganismos, mas que o mecanismo dos ruminantes digere devidamente os ovos de parasitas nocivos, as bactérias e os vírus.

Com essa 'esterilização' do bolo alimentar os microorganismos patogênicos não migram para a carcaça do animal.

No caso do porco [v.7] além do microorganismo que infecta a carcaça do animal, temos vários outros que estão nos compartimentos biológicos do animal, e que são nocivos a humanos. É o caso do vírus da gripe e do resfriado que se encontram nas vias aéreas do animal e contaminam o homem quando em contato com o animal ainda vivo, nos criadouros.

Na lista das aves é dito - "dentre as aves, a estas abominareis, não se comerão... o morcego" v.19up. As tribos do interior do continente africano comem o morcego e se infectam com o vírus ebola. Essa epidemia do ebola é resultado de se ignorar a Lei de Deus.

Levítico 11 é um tratado de Zoonose e Controle Sanitário de carnes animais. Esse trecho da Bíblia, o livro de Levítico, faz parte da Lei de Deus [os cinco primeiros livros].

É porque a Lei de Deus está sendo ignorada e desprezada que estamos sofrendo com as epidemias em nosso século.

O apelo de Deus no final do tratado de Levítico 11 é - "não vos contaminareis".

TECNOLOGIA E CRIANÇAS


A Academia Americana de Pediatria e a Sociedade Canadense de Pediatria afirmam que crianças de 0 a 2 anos não devem ter nenhuma exposição à tecnologia, crianças de 3 a 5 anos devem ser limitadas à uma hora de exposição por dia e crianças e adolescentes de 6 a 18 anos devem ser restritas a duas horas por dia (AAP 2001/13, CPS 2010). Crianças e jovens usam de quatro a cinco vezes a quantidade de tecnologia recomendada, provocando consequências graves e, em muitos casos, colocando suas vidas em risco (Fundação Kaiser 2010, Active Healthy Kids Canada 2012). Aparelhos eletrônicos móveis (telefones celulares, tablets, jogos eletrônicos) aumentaram muito o acesso e uso de tecnologia, especialmente por crianças muito pequenas (Common Sense Media, 2013). Como terapeuta ocupacional pediátrica, convoco pais, professores e governos a proibir o uso de todos os mobiles para crianças com menos de 12 anos. Seguem dez razões, todas apoiadas em pesquisas, para justificar essa proibição. Para ter acesso às pesquisas com referências, procure o Zone'in Fact Sheet no site zonein.ca.

1. Crescimento cerebral acelerado
Entre 0 e 2 anos de idade, o cérebro da criança triplica de tamanho, e ele continua em estado de desenvolvimento acelerado até os 21 anos de idade (Christakis 2011). O desenvolvimento cerebral infantil é determinado pelos estímulos do ambiente ou a ausência deles. Já foi comprovado que o estímulo a um cérebro em desenvolvimento causado por superexposição a tecnologias (celulares, internet, iPad, TV) é associado ao déficit de funcionamento executivo e atenção, atrasos cognitivos, prejuízo da aprendizagem, aumento da impulsividade e diminuição da capacidade de se autorregular, por exemplo, acessos de raiva (Small 2008, Pagini 2010).

2. Atraso no desenvolvimento
O uso de tecnologia restringe os movimentos, o que pode resultar em atraso no desenvolvimento. Hoje uma em cada três crianças ingressa na escola com atraso no desenvolvimento, o que provoca impacto negativo sobre a alfabetização e o aproveitamento escolar (HELP EDI Maps 2013). A movimentação reforça a capacidade de atenção e aprendizado (Ratey 2008). O uso de tecnologia por menores de 12 anos é prejudicial ao desenvolvimento e aprendizado infantis (Rowan 2010).

3. Obesidade epidêmica
Existe uma correlação entre o uso de televisão e videogames e o aumento da obesidade (Tremblay 2005). Crianças às quais se permite que usem um aparelho digital no quarto têm incidência 30% mais alta de obesidade (Feng 2011). Uma em cada quatro crianças canadenses e uma em cada três crianças americanas são obesas (Tremblay 2011). 30% das crianças com obesidade vão desenvolver diabetes, e os obesos correm risco maior de AVC e ataque cardíaco precoce, resultando em grave redução da expectativa de vida (Centro de Controle e Prevenção de Doenças, 2010). Em grande medida devido à obesidade, as crianças do século 21 talvez formem a primeira geração da qual muitos integrantes não terão vida mais longa que seus pais (Professor Andrew Prentice, BBC News 2002).

4. Privação de sono
60% dos pais não supervisionam o uso que seus filhos fazem de tecnologia, e 75% das crianças são autorizadas a usar tecnologia no quarto de dormir (Fundação Kaiser 2010). 75% das crianças de 9 e 10 anos têm déficit de sono em grau tão alto que suas notas escolares sofrem impacto negativo (Boston College 2012).

5. Doença mental
O uso excessivo de tecnologia é um dos fatores responsáveis pelas incidências crescentes de depressão infantil, ansiedade, transtorno do apego, déficit de atenção, autismo, transtorno bipolar, psicose e comportamento infantil problemático (Bristol University 2010, Mentzoni 2011, Shin 2011, Liberatore 2011, Robinson 2008). Uma em cada seis crianças canadenses tem uma doença mental diagnosticada, e muitas tomam medicação psicotrópica que apresenta riscos (Waddell 2007).

6. Agressividade
Conteúdos de mídia violentos podem causar agressividade infantil (Anderson, 2007). A mídia de hoje expõe as crianças pequenas cada vez mais violência física e sexual. O game "Grand Theft Auto V" retrata sexo explícito, assassinato, estupros, tortura e mutilação; muitos filmes e programas de TV fazem o mesmo. Os EUA classificaram a violência na mídia como Risco à Saúde Pública, devido a seu impacto causal sobre a agressividade infantil (Huesmann 2007). A mídia informa o uso crescente de restrições físicas e salas de isolamento para crianças que exibem agressividade descontrolada.

7. Demência digital
O conteúdo de mídia que passa em alta velocidade pode contribuir para o déficit de atenção e também para a redução de concentração e memória, devido ao fato de o cérebro "podar" os caminhos neurais até o córtex frontal (Christakis 2004, Small 2008). Crianças que não conseguem prestar atenção não conseguem aprender.

8. Criação de dependência
À medida que os pais se apegam mais e mais à tecnologia, eles se desapegam de seus filhos. Na ausência de apego parental, as crianças podem apegar-se aos aparelhos digitais, e isso pode resultar em dependência (Rowan 2010). Uma em cada 11 crianças e jovens de 8 a 18 anos é viciada em tecnologia (Gentile 2009).

9. Emissão de radiação
Em maio de 2011 a Organização Mundial de Saúde classificou os telefones celulares (e outros aparelhos sem fios) como risco de categoria 2B (possivelmente carcinogênico), devido à emissão de radiação (OMS 2011). Em outubro de 2011, James McNamee, da Health Canada, lançou um aviso cautelar dizendo: "As crianças são mais sensíveis que os adultos a uma série de agentes, porque seus cérebros e sistemas imunológicos ainda estão em desenvolvimento." (Globe and Mail 2011). Em dezembro de 2013 o Dr. Anthony Miller, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Toronto, recomendou que, com base em pesquisas novas, a exposição a frequências de rádio seja reclassificada como risco de categoria 2A (provavelmente carcinogênico), não 2B (possivelmente carcinogênico). A Academia Americana de Pediatria pediu uma revisão das emissões de radiação de campo eletromagnético de aparelhos de tecnologia, citando três razões relativas ao impacto sobre as crianças (AAP 2013).

10. Insustentável
O modo em que as crianças são criadas e educadas com a tecnologia deixou de ser sustentável (Rowan 2010). As crianças são nosso futuro, mas não há futuro para crianças que fazem uso excessivo de tecnologia. É necessária e urgente uma abordagem de equipe para reduzir o uso de tecnologia pelas crianças.


As Diretrizes de Uso de Tecnologia para crianças e adolescentes, vistas abaixo, foram desenvolvidas por Cris Rowan, terapeuta ocupacional pediátrica e autora de Virtual Child; o Dr. Andrew Doan, neurocientista e autor de Hooked on Games; e a Dra. Hilarie Cash, diretora do Programa reSTART de Recuperação da Dependência da Internet e autora de Video Games and Your Kids, com contribuições da Academia Americana de Pediatria e da Sociedade Pediátrica Canadense, no intuito de assegurar um futuro sustentável para todas as crianças.
Fonte: BrasilPost

É POSSÍVEL UMA VIDA SEM AÇÚCAR?


Uma família no sudeste da Inglaterra diz que sim. Depois que a filha foi diagnosticada com diabetes, a familia inteira abriu mão do açúcar por uma vida mais saudável.

Lucy Burt tem 16 anos e em 2011 descobriu que tinha diabetes tipo 1, também conhecida como diabetes mellitus. Nesse caso, o pâncreas não produz insulina para regular os níveis de glicose no sangue, e se a quantidade ficar muito alta, os órgãos do corpo podem ser danificados.

Na época, o médico de Lucy disse que ela deveria verificar seus níveis de sangue regularmente, aplicar insulina, mas continuar com uma dieta normal e equilibrada.

No entanto, os pais de Lucy, Jason e Clare, foram contra o conselho do médico e decidiram que todos da família, incluindo os outros dois filhos, deveriam cortar o açúcar, e seguir uma dieta rica em proteína, gordura, e muitos legumes.

"Por cerca de um mês a sensação foi de ressaca, não conseguia me concentrar, " disse Jason. "Mas depois a sensação foi de leveza."

"Foi um ato de solidariedade ... abrir mão do açúcar significava que estávamos apoiando uma dieta que era melhor para Lucy e sua diabetes," disse Jason.

Para a família, o início foi bastante difícil e desconfortável, mas agora todos se sentem mais saudáveis, têm níveis mais elevados de concentração, comem menos, e a conta de supermercado também diminuiu.

"Comecei a me sentir mais desperto, e consciente, e desde então, não olhei pra trás. Tenho muito mais energia", disse Jason.

Foi particularmente difícil para a família Burt cortar o açúcar. Eles fornecem bolos para lojas no sudeste da Inglaterra, produzindo cerca de 3 mil bolos por semana.

Para Clare foi difícil encontrar um equilíbrio entre o diagnóstico da filha e o trabalho. "Mas um amigo me lembrou que as pessoas não deixariam de comer bolos só porque a Lucy foi diagnosticada com diabetes", afirmou Clare.

"Parecia que estávamos fazendo algo errado, mas precisávamos pagar as contas", disse Jason. 

Mas como todo bom cozinheiro sabe, as receitas têm que ser provadas enquanto são feitas. Como eles resolveram esse problema?


"Temos muitos voluntários. E se for absolutamente necessário, vamos provar pequenas quantidades", diz Clare. "O bom é que as receitas são as mesmas há 30 anos."

Fonte: BBC

ALIMENTOS SAUDÁVEIS QUE ESCONDEM AÇÚCAR


É consenso entre médicos e pacientes que a ingestão excessiva de açúcar é extremamente prejudicial para a saúde.

Porém, o que pouca gente sabe é que alimentos que aparentemente são vendidos como "saudáveis", na verdade, contêm altas doses da matéria-prima.

Segundo uma pesquisa realizada por cientistas americanos e publicada em 2012, o consumo mundial do açúcar triplicou nos últimos 50 anos e está ligado a inúmeras doenças, como obesidade, diabetes e câncer.
Uma nova campanha da ONG Action on Sugar elaborou uma lista em que figuram alguns alimentos que "escondem" grandes quantidades de açúcar.

O objetivo, além de conscientizar o público, é pressionar os fabricantes a reduzir a quantidade do subproduto da cana.

Conheça, a seguir, cinco desses alimentos.

1 - Alimentos com 0% de gordura
Alimentos com 0% de gordura não possuem, necessariamente, 0% de açúcar. Este é o caso dos iogurtes.
Nesses alimentos, o açúcar normalmente é adicionado para dar sabor e cremosidade ao produto quando a gordura é removida.
Um iogurte de 150 gramas com 0% de gordura pode ter, por exemplo, até 20 gramas de açúcar – o equivalente a cinco colheres de chá, alerta a Action on Sugar.
Esse valor equivale à metade da quantidade diária de açúcar recomendada para mulheres, que é de 50 gramas. Nos homens, a taxa diária é um pouco superior, de 70 gramas.
"O problema é que as pessoas que compram comida com 0% de gordura querem consumir um alimento com um gosto semelhante ao de 100% de gordura", afirma a nutricionista Sarah Schenker.
"Para adequar seus produtos ao paladar dos clientes, os fabricantes adicionam açúcar quando a gordura é retirada. Se as pessoas queremalimentos mais saudáveis, precisam aceitar que eles tenham uma aparência e um gosto um pouco diferente", acrescenta Schenker.

2 – Polpa de tomate
Uma polpa de tomate feita a partir de tomates frescos possui inúmeros nutrientes, mas aquelas compradas em mercados, normalmente enlatadas, podem ser cheias de açúcar.
O ingrediente é normalmente adicionado para que a polpa fique menos ácida. Um terço de uma lata de 150 gramas, por exemplo, pode ter até 13 gramas de açúcar, valor equivalente a três colheres de chá.

3 – Maionese
Produtos que contenham maionese são inimigos de quem quer combater o consumo excessivo de açúcar. Uma colher pode conter até quatro gramas do ingrediente.
"Molhos, em geral, contêm grande quantidade de açúcar", afirma Schenker.

4 – Água
Depende do tipo. Alguns tipos de "águas vitaminadas" têm adição de açúcar. Um copo de 500 ml de algumas marcas pode conter até 15 gramas de açúcar, o equivalente a cerca de quatro colheres de chá, diz a Action on Sugar.

5 - Pão
O pão é um dos alimentos que mais "escondem" açúcar, destaca a ONG. Uma fatia de pão processado pode ter, em média, até três gramas de açúcar.
O açúcar presente no pão, aliás, é normalmente formado no processo natural de fermentação, mas também pode ser adicionado durante a fabricação do alimento.

"Não é porque o alimento é salgado que ele tem baixo teor de açúcar", lembra Schenker.

Fonte: BBC

GORDURA BOA E RUIM


O consumo de gordura saturada é um assunto recorrente, e na Grã-Bretanha produtores e vendedores de alimentos se comprometeram em reduzir os níveis deste tipo de gordura em seus produtos.

Porém, além da gordura saturada, outros tipos de gordura estão presentes, naturalmente ou artificialmente, nos alimentos, como as insaturadas e as gorduras trans. 

Nem toda gordura é ruim, uma pequena porção na dieta pode ajudar o organismo a absorver determinados nutrientes. E gordura pode ser também uma fonte de energia, proporcionando ácidos graxos essenciais e algumas vitaminas, como as vitaminas A e D.

Então, qual é a diferença entre a gordura boa e a ruim? E quais devemos consumir em maior ou menor quantidade? De acordo com o NHS Choices, o site do serviço nacional de saúde da Grã-Bretanha que dá conselhos de como ter uma vida saudável, diminuir o consumo de comidas que são ricas em gordura saturada é importante como parte de uma boa dieta.

Chocolates estão entre os produtos ricos em gordura saturada
Tais alimentos incluem manteiga, banha de porco, chocolate, bolos, massas folhadas, e produtos feitos com carne, como salsichas e tortas salgadas.

A maioria das pessoas consome gordura saturada em grande quantidade: cerca de 20% mais que o máximo recomendado, segundo estudos feitos pela British Dietetic Association.A recomendação atual do Departamento de Saúde da Grã-Bretanha diz que em média os homens não devem comer mais que 30g de gordura saturada por dia, enquanto as mulheres não devem comer mais que 20g.

Uma dieta rica em gordura saturada pode aumentar os níveis de lipoproteína de baixa densidade, ou "colesterol ruim", no sangue ao longo do tempo, aumentando o risco de doenças cardiovasculares.
Mas esse risco foi recentemente contestado.

Em um artigo no British Medical Journal, o cardiologista Aseem Malhotra diz que gordura saturada tem sido "demonizada por décadas", e evidências científicas não comprovaram sua relação com doenças cardíacas.
Ele diz que a indústria alimentícia compensou a diminuição dos níveis de gordura saturada com o aumento da quantidade de açúcar.

Gordura insaturada
 Uma dieta composta por gorduras insaturadas pode ajudar a diminuir os níveis do colesterol ruim no sangue e aumentar os níveis de lipoproteína de alta densidade, também conhecido como bom colesterol.

Gorduras saturadas podem ser substituídas em uma dieta balanceada com gorduras mais saudáveis, como as monoinsaturadas e as poli-insaturadas, que são encontradas em muitos alimentos, que incluem:
sementes e nozes
óleos de girassol e oliva
frutas, legumes e verduras, incluindo o abacate.

O ômega-3 ajuda a diminuir os níveis de diacilglicerol no sangue, a prevenir a coagulação do sangue, e a manter um ritmo cardíaco regular.

A fundação também recomenda o consumo de uma pequena quantidade de gordura monoinsaturada, encontrado no óleo de oliva, no abacate e nas nozes, para ajudar a manter os níveis de colesterol saudáveis.

Gorduras trans
 O terceiro tipo de gordura também encontrada na dieta é a trans. Gorduras trans naturais são encontradas no leite. Gorduras trans naturais são encontradas em níveis baixos em alguns alimentos, como carne e produtos derivados do leite.

As gorduras trans artificiais são feitas a partir de um processo de hidrogenação do óleo, e são conhecidas como gordura hidrogenada. Esse tipo de gordura pode ser usado para fazer frituras.

Gorduras trans artificiais também podem ser encontradas em comidas processadas, como biscoitos e bolos, e são as vezes usadas para prolongar a vida dos produtos nos prateleiras.

Uma dieta rica em gorduras trans pode também levar a altos níveis de colesterol ruim no sangue.


Porém, o NHS Choice diz que reduzir a quantidade de gordura saturada é mais importante do que reduzir a quantidade de gordura trans.

Fonte: BBC

VESTUÁRIO E SAÚDE



"Roupas apertadas, principalmente as confeccionadas em tecidos grossos, podem prejudicar a circulação sanguínea e causar, além de dores, varizes", afirma o médico angiologista Augustus César de Araújo, de Brasília. É o caso do jeans: mesmo com elástico, ele comprime o corpo e prejudica a passagem do sangue.             Fonte: Terra     

Mas os problemas não param por aí. Dificuldades de digestão e de respiração, cansaço fora do normal e problemas ligados aos órgãos sexuais são alguns dos riscos que você corre ao privilegiar as peças justas no guarda-roupa. Os prejuízos envolvem várias áreas da saúde.

1. Circulação sob risco
As roupas apertadas podem dificultar o retorno do sangue venoso, que passa muito tempo nos membros inferiores. Essas roupas geram compressões, ao longo da perna e na região abdominal, sem uma graduação adequada.

2. Varizes
Elas prejudicam principalmente as mulheres. Isso porque a progesterona, um dos hormônios femininos, causa a dilatação das veias além do calibre normal. Dados da Organização Mundial da Saúde indicam que 17% da população sofre com problemas vasculares, as varizes entre eles. Quando você usa roupas apertadas, prejudica sua circulação, aumentando as estatísticas. Principalmente se há casos de varizes na sua família ou se você toma algum tipo de contracepção hormonal, prefira peças mais larguinhas.

3. Celulites
Não é que as roupas apertadas causem celulites. Mas elas retardam o tratamento ou favorecem o surgimento dos furinhos. Quando há formação dos nódulos de gordura, causadores de celulite, a circulação sangüínea fica prejudicada nestas regiões. Se você usa roupas apertadas, prejudica ainda mais a passagem do sangue, agravando o quadro. Ou seja, a celulite de grau 1 evolui para grau 2 e assim por diante.

4. Respiração
Roupas muito apertadas ou um cinto ajustado demais prejudicam a passagem de ar pelo seu corpo. Resultado: você pratica a chama respiração curta na maior parte do dia, ou seja, a inspiração só chega até a parte alta do tórax. Com isso, as trocas gasosas não acontecem de maneira eficiente e seu corpo acumula mais gás carbônico, que é tóxico e acelera a oxidação das células, provocando o envelhecimento. A respiração curta deixa o cérebro mal oxigenado, dificultando a concentração e trazendo ansiedade: portanto, livre-se das roupas apertadas quando precisar de calma.

5. Dores nas costas
Acha que não tem nada a ver? Então compare, marcando suas sensações por dois dias seguidos. Num, use uma combinação bem justa e, no outro, escolha um modelo que deixe seu corpo bem à vontade. A diferença é notável: vestindo peças que restringem seus movimentos, você é obrigado a sobrecarregar os músculos e as vértebras para realizar atividades que, normalmente, nem exigiriam tanto esforço. Com o quadril comprimido, sua coluna sofre para dar suporte aos movimentos. O mesmo vale para as camisas que impedem os braços de se mexerem-se: por causa disso, os ombros encerram o dia com uma sensação de peso e, às vezes, até ardência e formigamento.

6. Digestão
O problema, neste caso, deve-se principalmente às calças e cintos que apertam demais sua barriga. Após as refeições, seu estômago dilata-se (é nele onde ocorre parte da digestão, graças à ação dos ácidos presentes ali). No entanto, a pressão das roupas pode fazer com que os ácidos do estômago refluam para o esôfago, causando azia e refluxo.

7. Saúde sexual
Entre as mulheres, o uso de roupas apertadas pode favorecer o corrimento. Com a umidade e a temperatura alta, a região genital torna-se propícia ao desenvolvimento de fungos e bactérias que podem causar doenças como a candidíase. Nos homens, o risco em vestir calças e cuecas apertadas demais está em afetar a quantidade e a qualidade dos espermatozóides produzidos, além de causar dor nos testículos”.
Fonte: Portal Terra de Notícias

Isso acontece por que as calças geralmente são do tecido ‘brim’, um material muito grosso; para agravar mais ainda são muito justas. Isso favoreceu o surgimento de doenças ginecológicas, não necessariamente as DST. Foram evidenciadas vulvovaginites (infecções) principalmente por fungos.

As roupas íntimas de materiais sintéticos, preferidas por serem mais sensuais, as calças jeans apertadas e grossas, aumentam a temperatura dos genitais e causam um desequilíbrio na microbiota (microorganismos) favorecendo o crescimento de fungos.

Até em moças que não tinham uma vida sexual ativa as vaginites são um problema ginecológico corriqueiro causado pelo uso excessivo das calças em grande parte do dia. A rotina de sair cedo para trabalhar ou estudar e permanecer com calças apertadas durante 8 a 10 horas diárias, permanecendo sentadas e com pouco movimento foram um agravante extra.

A roupa tem sua história na linha de tempo do feminismo. Por exemplo, “a ascensão e queda do espartilho ao longo dos séculos  refletem a história do movimento feminista e das transformações na relação da sociedade com o corpo.

No período vitoriano, a maioria das mulheres "de família" vestia uma cinta sob o vestido.

No século 20, no entanto, o espartilho vitoriano passou a ser visto por muitos como algo fisicamente opressivo. A vestimenta também foi associada à posição inferior da mulher na sociedade.

Alison McCann, curadora da exposição de roupas íntimas Undercover - realizada no Fashion and Textile Museum, em Londres, em 2010 - diz que a rejeição do espartilho foi praticamente uma extensão do movimento ‘dassuffragettes’, as mulheres que lutaram pelo Sufrágio Universal na Grã-Bretanha.

"As mulheres começaram a assumir o controle sobre a roupa íntima, desenhando o que queriam vestir", disse McCann. Na moda, também, os espartilhos saíram de cena.

A popularidade das criações de Coco Chanel nos anos 1920 - com sua moda mais relaxada, vestidos soltos e uma forma feminina mais plana, com menos curvas” fazia parte desta reforma feminina.

Também “na década de 1960, com a emancipação feminina, ligas e cintas foram abandonadas em massa. (Há exceções. Algumas mulheres, particularmente as adeptas de visuais gótico ou punk, usam espartilhos e outros acessórios como símbolos de subversão há anos.)
Fonte: BBC

Com os órgãos reprodutores pressionados pelo modelos justos de espartilhos, calças e outras vestes,  os ovários, trompas e útero recebem menos irrigação sanguínea e somatizam nos problemas de infertilidade junto com fatores como sedentarismo, estresse e promiscuidade.

As calças usadas nas décadas de 90 até a primeira década do século 21, são apertadas como os espartilhos vitorianos e favorecem o aparecimento de  fungos  ou  vulvovaginite caracterizada por “queimação vaginal e prurido, dispareunia e um corrimento leitoso” (Henry, 1999). As mulheres casadas sentem desconforto nas relações sexuais e em estágios avançados da infecção, dor e ardência. A ida ao ginecologista para diagnóstico laboratorial e tratamento é a regra.

As saias e os vestidos soltos, idealizados por Coco Chanel na década de 20, opostamente, permitem uma ventilação e irrigação melhor dos genitais. Mulheres que usam vestidos preservam melhor sua saúde sexual.
Essa questão envolvendo prejuízos para a saúde, é algo importante para as mulheres que têm eventos que os homens não possuem na sua vida sexual – parto, infecções ginecológicas, amamentação etc.

E. G. White foi uma escritora norte americana da época vitoriana, escreveu muito sobre a reforma do vestuário da mulher, principalmente sobre as calças apertadas que surgiam no século 19:

"Há ainda outra moda de vestir-se que é adotado por uma classe de pessoas chamadas reformadoras do vestuário. Imitam o sexo oposto, o mais possível. Usam casquete, calças, colete, casaco e botas, sendo esta a peça mais sensata do traje.

Os que adotam e defendem esta moda, estão levando a chamada reforma do vestuário a extremos muito objetáveis. Confusão será o resultado. Alguns dos que adotam este traje podem estar corretos em seus pontos de vista gerais quanto à questão da saúde, e poderiam ser instrumentos na realização de muito maior soma de bem se não levassem a tais extremos a questão do vestuário.

Nessa moda de vestuário foi invertida a ordem de Deus, e desrespeitadas Suas direções especiais. Deut. 22:5: "A mulher não usará roupa de homem, nem o homem veste peculiar à mulher; porque qualquer que faz tais coisas é abominável ao Senhor, teu Deus."

Esta moda de vestuário Deus não deseja que Seu povo adote. Não é traje modesto, e absolutamente não se adapta a mulheres modestas e humildes, que professam ser seguidoras de Cristo. As proibições de Deus são consideradas levianamente por todos os que advogam a remoção da diferença de vestuário entre homens e mulheres.

Designava Deus que houvesse clara distinção entre o vestuário do homem e da mulher, e considerou a questão de bastante importância para dar direções explícitas a esse respeito; pois se ambos os sexos usassem o mesmo vestuário isto causaria confusão, e grande aumento de crime. Paulo pronunciaria uma repreensão, fosse ele vivo hoje, se contemplasse mulheres que professam piedade usando esta moda de vestuário". 2 ME 477

Embora a discussão da escritora norte americana  do século 19 pautasse assuntos morais, é com a saúde da mulher deste novo século que a preocupação se mostra maior. Roupas apertadas, justas e que limitem os movimentos, irão trazer prejuízo para a circulação do sangue e a saúde de forma geral.

“Outros argumentam, que no momento em que as mulheres têm a maior média de peso da história, o ressurgimento da cinta se deve a razões bastante diferentes: as cinturas estão ficando maiores.
Uma pesquisa feita na Grã-Bretanha em 2001 concluiu que o tamanho médio da cintura feminina aumentou cerca de 16,5 cm desde a década de 1950, de 71 para 86 cm.

Então, como as mulheres estão fazendo para entrar nos modelos anos 50, tão na moda no momento?
Hannah Almassi, subeditora de moda da revista Grazia, lembra que sempre houve maneiras de manipular a forma do corpo na moda. "Seja meninas colocando bandagens nos seios...  ou as ombreiras da década de 80". O espartilho é mais um desses recursos” Fonte: BBC.

Seja com os espartilhos, calças apertadas ou vestidos e saias justos, o império da moda erotizada leva a mulher pós-moderna aos excessos e sacrifício a saúde.

O equilíbrio deve ser a meta a ser alcançada. A leveza proposta por Coco Chanel, e a moral e saúde idealizada por E. G. White, não é algo impossível.