GORDURA TRANS


A gordura trans é ingrediente de boa parte dos alimentos industrializados. Está nos biscoitos, nos sorvetes, nas margarinas, nos requeijões, nas frituras, nos salgadinhos e até nas misturas para bolos.

Elas são óleos vegetais parcialmente hidrogenados, tornando alimentos oleosos em semi-sólidos; usadas para estender o prazo de validade dos produtos; usadas em massas de torta e salgados, bolos, margarinas e em alguns tipos de "fast food"; podem aumentar os níveis do colesterol "ruim"; elas não têm qualquer benefício nutritivo.

Mesmo uma pequena redução em seu consumo pode diminuir o risco de doença cardíaca.

Neste ano, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, convocou os fabricantes e defendeu o modelo do Canadá, que deu três anos para que o ingrediente fosse banido. "A nossa vontade é que, num curto prazo, nós possamos estar com 100% dos alimentos comercializados no Brasil sem gordura trans", afirmou.

O empenho do ministro se justifica pelos gastos com o tratamento dos brasileiros que comem mal. Cerca de 168 mil pessoas foram hospitalizadas em 2007 em decorrência de acidente vascular cerebral --uma das conseqüências do colesterol alterado--, o que custou R$ 118 milhões aos cofres públicos.

O Estado americano da Califórnia se tornou o primeiro do país a aprovar uma lei proibindo os restaurantes e comerciantes de alimentos de usar gorduras do tipo trans, que estão ligadas a doenças cardíacas.

O governador Arnold Schwarzenegger disse que a nova lei, que entra em vigor em 2010, representa um passo em direção a um futuro mais saudável. Violações à lei vão resultar em multas que podem chegar a US$ 1.000 (cerca de R$ 1.600).

Algumas cidades americanas, como Nova York, Filadélfia e Seattle já haviam proibido o uso deste tipo de gordura, e muitos restaurantes e fabricantes de alimentos estão realizando experiências com o objetivo de substituir as gorduras trans.

As gorduras do tipo trans são óleos vegetais alterados quimicamente e tornados sólidos pelo processo de hidrogenação. Elas permitem aos alimentos processados ter um prazo de validade maior.

A gordura trans surgiu como uma alternativa a banha do porco; acreditava-se ser mais saudável à gordura animal, por ser obtida de óleos vegetais. A gordura animal aumenta o LDL (o colesterol ruim) no sangue.

Mais que isso, a nova gordura foi amplamente adotada por ser pastosa, quase sólida, e não líquida. É o atributo que deixa a margarina cremosa e o biscoito crocante. Além disso, aumenta o prazo de validade e deixa o sabor mais agradável. Se você está acostumado com o seu biscoito e de repente sente um gosto diferente, a ausência da gordura trans pode explicar isso.

Elas são usadas porque são baratas, dão “corpo” aos alimentos, têm sabor neutro e aumentam o prazo de validade de produtos, mas não têm qualquer valor nutritivo.

Um artigo publicado pela revista especializada New England Journal of Medicine em 2006 concluiu que há uma forte conexão entre o consumo de gorduras trans e doenças cardíacas. O artigo conclui que essas gorduras aumentam os níveis de colesterol “ruim” no corpo.

O artigo ainda afirma que a eliminação das gorduras trans dos alimentos poderia evitar entre 6% e 19% das mortes causadas por ataques cardíacos a cada ano.

2 comentários:

Profª. Vânia Almeida disse...

Olá Ivair, vim conhecer seu blog. Descobri ele pesquisando assuntos interessantes para propor para meus alunos no meu blog. Aqui é um lugar bastante saudável. Também sou adventista, sou profa de educação física e tenho um humilde blog onde tento ajudar as pessoas a terem qualidade de vida. Vou colocar o blog do senhor em meus favoritos para ue meus leitores também o conheçam.

Grande abraço,
Vânia Almeida
http://cuidandodocorpo.blogspot.com

IVAIR AUGUSTO COSTA disse...

É uma honra receber sua visita.
Seu Blog não tem nada de humilde... rsrs Parabéns pelo seu trabalho.
E obrigado por listar o meu Blog.