A FISIOLOGIA DAS EMOÇÕES


A Felicidade, o desejo, o Prazer, o bem estar, a paixão e muitas outras facetas da nossa psiquê que se exteriorizam em sentimentos e emoções, são coquetéis de substâncias combinadas entre si, e que circulam em nosso sangue, alcançando nossos centros sensitivos, nos oferecendo as sensações que nos fazem sentir vivos.

Substâncias como a Adrenalina, Nor-Adrenalina, Dopamina, Oxcitocina, Melatonina, Testosterona, Endorfinas e outras, sozinhas ou combinadas caracterizam as emoções e sensações humanas.

Essas substâncias são produzidas naturalmente em nosso corpo em resposta aos estímulos dos cinco sentidos e do que individualmente interpretamos desses estímulos.

Mas alguns laboratórios já pensam em fabricar a ´pílula do bem estar´ ou da ´pílula da paixão´, porque poderiam sintetizar artificialmente essas drogas e produzi-las em escala.

Mas, a liberação destas drogas maravilhosas em nosso corpo dependem de uma complexa conexão nervosa. Elementos abstratos do pensamento humano também interferem na ação destas drogas. Situações, conceitos individuais, cultura e a crença produzem resultados diferentes nas pessoas.

Certos indivíduos sofrem constrangimento ao se deparar com uma pessoa desconhecida no elevador, mas a ação repetida várias vezes com o desconhecido, pode gerar outras sensações no futuro, desde a simpatia até o afeto ! A mesma situação é interpretada de forma diferente, por indivíduos diferentes.

O cérebro é um dos poucos órgãos que não foram compreendidos ainda, e por sua complexidade qualquer avanço científico esbarra na obscuridade de nosso conhecimento.
Mas é o fator Criação que ganha projeção ao analisarmos esse assunto. A casualidade não produz variantes complexas como a fisiologia humana; também não produz elementos conscientes como o da psiquê.

Poderíamos esperar as mesmas variantes em um animal qualquer pois são produtos da mesma e semelhante fisiologia. Todos esses aspectos são pré-determinados por nossos genes e ampliados pelas variadas situações de nossa vida, traduzidos ao consciente e inconsciente (psiquê), formulando o que somos.

A principal e determinante diferença é nossa espécie (Gen.1:25 e 26) a nossa origem e como fomos criados. A resultante que determina sermos humanos e não animais, e usufruirmos emoções complexas, embora sejamos produtos bioquímicos como os animais, são as leis rígidas de nossa criação.

A casualidade não possui leis, ou regras, mas a Criação Divina o possui e determina que nossa constituição seja diferente.

Todos os animais (inclusive o homem) são matéria orgânica por excelência, mas é como esta matéria é organizada e combinada a partir de nossos genes, que determina nossa inteligência, emoção e sentimentos.

A casualidade poderia esperar a mesma inteligência, emoção e sentimentos em espécies diferentes, já que as substâncias orgânicas são as mais fáceis de manipulação, por suas ligações químicas frágeis. Mas isso não acontece ...

A nossa própria identidade que se compõem de caráter, personalidade e temperamento são determinadas pelas mesmas substâncias e outras mais ainda desconhecidas, mas que na universalidade que se compõem a humanidade, poderiam apresentar réplicas. Mas isso também não acontece.

Somos na atualidade mais de 6 bilhões de pessoas, algumas com temperamentos iguais, mas personalidades diferentes; outras com o mesmo caráter, mas identidades únicas.
Podemos argumentar que as variações que o código genético oferece são quase infinitas, mas nem os gêmeos univitelinos, que são clones naturais, permanecem idênticos em sua identidade sob as mesmas condições de vida.

Existe um elemento que é extrínseco ao homem, que é sua energia primordial; aquela centelha que colocou nossas células cardíacas a transmitir energia motora; e nossas células nervosas a produzir pensamentos por condução elétrica.

Essa é a origem da vida, a origem da ligação entre os elementos, para formarem a matéria orgânica; esta matéria se combinar para formar códigos genéticos inteligentes; estes produzirem organelas e orgãos; e estes sintetizarem as drogas endógenas da emoção e dos sentimentos, gerando indivíduos únicos.

3 comentários:

Anônimo disse...

boa tarde, gostei do seu texto e pretendo usar dele para base de um trabalho - se me permitir - mas gostaria de saber suas referências, de onde você ''tirou as idéias" para eu levar a minha pesquisa mais a fundo.

Agradeço se puder me ajudar.
Obrigada

CONNAISSANCE DANS CHAQUE DÉCOUVERTE disse...

Gostei muito do seu texto. Vou apresentar um trabalho sobre este tema em Estética,na Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO- Juiz de Fora. Obrigado por postar.

CONNAISSANCE DANS CHAQUE DÉCOUVERTE disse...

Gostei muito do seu texto. Vou apresentar um trabalho sobre este tema em Estética,na Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO- Juiz de Fora. Obrigado por postar.