A DROGA NOSSA DE CADA DIA


Levantar-se de manhã e ter uma bebida quente para ingerir, é um hábito saudável. Provavelmente terá passado de 8 a 12 horas que você se alimentou, e seu estômago esteve durante esse período ´em jejum´, e esse órgão digestivo merece uma bebida quente preparando-o para a digestão.

A bebida quente mais famosa em todo mundo certamente é o café. Aqui no Brasil é conhecido como cafezinho, e seu parceiro inseparável, o leite, lhe dá o codinome de ´pingado´; a maioria dos brasileiros se limita a essa bebida pela manhã, junto com o pãozinho francês, e assim está feita a refeição da manhã.

A descoberta do café
Ele foi descoberto indiretamente na Etiópia, através de um pastor de cabras. Ao pastorear seu rebanho perto de arbustos de uma planta nativa, o etíope notou alteração no comportamento de seus animais que se alimentava das folhas deste arbusto. Percebeu que as cabras não exigiam tantas paradas quando se alimentavam daquelas folhas, e que andavam mais rapidamente sem cansaço aparente.

Comentando esse fato com um monge islâmico, o interesse pelas propriedades da planta foi despertado, e logo as experiências com as folhas e frutos do arbusto foram exploradas. Logo os monges descobriram um meio de aplicar os frutos de tal forma que fosse usado como bebida, e esta se tornou popular nos monastérios da região, sendo posteriormente evidenciada a cultura do arbusto em monastérios na Ásia no ano de 575 DC.

Uma bebida estimulante
Hoje se sabe que o efeito estimulante do café é feito por metilxantinas que estão presente nas folhas e frutos do arbusto, sendo a cafeína a substância mais famosa . Seus efeitos estimulantes são tão populares que ela passou a fazer parte da composição de outras bebidas como os refrigerantes; mas também está naturalmente nas folhas de chás (mate, preto e chimarrão), castanha do cacau (chocolate) e nos frutos do guaraná .

As propagandas de café tem explorado o seu efeito estimulante e sugerido que é uma boa opção antes de se ir para a cama com o parceiro(a). Apesar do estímulo que o café oferece, especialistas em fertilidade afirmam categoricamente que o café (e chocolates, guaraná, chá mate e chimarrão) deve ser banido da dieta de quem procura ter filhos. A bebida diminui a fertilidade e dificulta o ato de concepção.

O estímulo que o café oferece para a relação sexual pode também estar comprometendo o relaxamento que naturalmente se consegue depois do sexo . Como estimulante do sistema nervoso central , a cafeína pode suplantar o efeito relaxante produzido após o ato sexual, oferecido pelo orgasmo. O sono também pode ser retardado após a ingestão da bebida, devido aos efeitos estimulantes da bebida.

Alem dos efeitos negativos sobre a fertilidade e o aparecimento da insônia, surgem a irritabilidade, nervosismo ou ansiedade, e um grau de dependência, da qual os sintomas mais comuns da síndrome de abstinência são cefaléia (dor de cabeça), cansaço e dificuldade em fixar a atenção. Certamente a metil-xantina (cafeína) opera contras as substâncias endógenas naturais que o próprio organismo oferece para relaxar o corpo.

Argumentos em favor do café
Novos argumentos estão surgindo em favor do uso do café. A cafeína, porém já é classificada como droga nos anais farmacêuticos , e já faz parte de medicamentos modernos para melhorar o desempenho destes e antagonizar efeitos indesejados, por exemplo, a sonolência que alguns deles causam nos consumidores. Há vários medicamentos farmacêuticos em que a cafeína faz parte de sua composição , como droga coadjuvante, para antagonizar efeitos colaterais, induzindo o estado de alerta.

Portanto os argumentos para justificar o uso do café têm sido elaborados, mas a boa prática medicamentosa revela que estamos convivendo com o mais popular veículo de uma droga do planeta . Assim como a cerveja e as outras bebidas alcoólicas servem para veicular o etanol, o café é o veículo popular da cafeína.

Mal de Parkinson
O café já possui estudos como sendo uma bebida que desfavorece a progressão do mal de Parkinson. Mas até hoje não se sabe se uso do café em seu livre consumo como bebida atende devidamente as dosagens terapêuticas que a doença exige. Veicular que o café pode ser tomado em casa, para pacientes portadores do mal de Parkinson, é no mínimo irresponsável.

Se o café deve ser usado como medicamento, e seus efeitos terapêuticos devem ser explorados no mal de Parkinson, cabe aos trabalhos científicos de pesquisadores descobrirem e validar o uso da cafeína.

Cabe porem ao consumidor avaliar toda essa problemática, e concluir se a bebida matinal, não é na realidade o medicamento matinal, e que diante das evidências atuais não seria melhor deixar o hábito de tomar café, e aposentar a bebida nas prateleiras dos mercados e drogarias.

A cura da dor de cabeça
A cafeína realmente pode curar a dor de cabeça; mas somente nas situações onde a pessoa que já usa o café sente as dores depois da abstinência da bebida; é a dependência da cafeína faz aparecer os sintomas de irritabilidade, cefaléia e tremores. Se ingerir o café, certamente esses sintomas irão desaparecer.

Melhora a atenção
Há reportagens que já veicularam a informação de escolas estarem oferecendo cafezinho para as crianças em sala de aula, para melhorarem atenção. E realmente um dos efeitos do café é melhorar o estado de alerta das pessoas, pelo estimulo que a cafeína faz no sistema nervoso central.

Mas a origem da desatenção nas salas de aula, não pode ser combatida com um elemento estimulante, mas sim com a correção de hábitos. Muitas vezes uma criança esta ficando mais tarde na frente da TV e chega sonolenta para as aulas; seria o mais correto coloca-la para dormir mais cedo. Assim seu organismo naturalmente se adapta e vai lhe devolver a atenção em sala de aula. Estados patológicos devem ser avaliados separadamente, e se o médico receitar medicamentos com cafeína, será uma decisão terapêutica. Porem o uso diário e constante em sala de aula pode favorecer estimulo para drogas mais fortes...

Melhor desempenho físico
O uso do café realmente melhora o desempenho físico, sendo usado até mesmo por atletas antes de competições. Os exames anti-doping proíbem a cafeína mas as doses limites são bem superiores ao que uma ou duas xícaras de café possam oferecer.
Porém, qualquer substância que venha a estimular de forma induzida um melhor rendimento físico, estará fazendo o organismo trabalhar acima de suas capacidades naturais.

A cafeína atua sobre o cansaço físico do usuário . Esse sinal que a cafeína irá retardar tornará o exercício intenso levando a um aumento do ácido lático no músculo e posteriormente no sangue ; enganar o organismo com um cafezinho, é intoxicar músculos e sobrepor-lhes uma carga que poderá prejudicar seu desempenho futuro. Potencializar a atividade muscular ignorando a fisiologia natural de nosso organismo é desfavorecer os mecanismos que próprio corpo estabelece para uma auto preservação.

Ignorando os próprios sinais que o organismo oferece, as lesões musculares poderão ser mais freqüentes, por extrapolarem o Limiar Anaeróbico (LA) , ou seja os níveis de remoção do lactato e a velocidade com que isso é feita no organismo.

Tomar café ajuda a emagrecer
O efeito estimulante da bebida irá melhorar o desempenho dos exercícios físicos e consequentemente favorecer uma maior queima de calorias; mas ingerir o café e esperar que ele atue como emagrecedor, é pura ilusão.

O que tem sido veiculado nesse sentido é que aquelas pessoas que praticam um esporte para emagrecer (bicicletas ergométricas, ginástica etc) terão seu desempenho aumentado, e as calorias correspondentes queimadas.

Mas é bom lembrar que o estresse muscular causado pelo estimulo em excesso poderá levar a efeitos indesejados na própria estética da pessoa. Assumir os excessos desse estímulo representa uma maior fadiga, mais desgaste físico e menos disposição depois do efeito da bebida.

Uma sessão de exercícios físicos é benéfica a qualquer pessoa; substâncias são produzidas em nosso corpo que irão determinar um melhor repouso, mais bom humor e mais disposição física. O uso de estimulantes irá determinar uma contraposição aos efeitos naturais do organismo.

Como a bebida tem o efeito estimulante, o metabolismo é levado a uma aceleração acima do normal, podendo trazer prejuízos a tecidos como as células epiteliais (pele); aqueles que preservam sua boa aparência podem estar ganhando tônus muscular com essa tática, mas perdendo a aparência jovial, pelos excessos assumidos. O Ácido Lático quando produzido em situações de fadiga persistente, pode extravasar do músculo para outros tecidos.

As contra indicações
Como qualquer outra droga a cafeína tem suas contra indicações.
Em um estudo recente o café foi colocado como fator de risco para a gravidez . Os médicos chegaram a afirmar que o uso da bebida pode provocar o aborto espontâneo.

A combinação do café com o cigarro potencializa os efeitos nocivos dos dois vícios ao coração; o fumo e a cafeína agem de forma combinada, danificando as artérias e o fluxo sangüíneo. A ação conjunta se revelou pior do que a soma dos efeitos de cada substância tomada isoladamente.

Como substituir o café?
Como dissemos beber algo quente pela manhã é saudável, e o hábito deve ser preservado. As alternativas são os chás naturais que não possuem a cafeína (cidreira, erva-doce, de laranja, de maçã etc); há ainda a opção de outras bebidas de grãos torrados, como a cevada e milho.

O café descafeinado tem sido muito popular mas estudos recentes afirmam que a cafeína é reduzida em seu teor, mas não totalmente eliminada.

As bebidas à base do leite são uma boa opção, mas é bom lembrar que a adição dos achocolatados levam a cafeína também em sua composição.

Os caldos de ervas e legumes não são comuns em nosso país, mas podem ser explorados como uma bebida para os dias frios.



Níveis de cafeína por volume
Café Expresso (2 xícaras) 250 a 330 mg
Café descafeinado 1 - 5 mg
Café preparado por decantação 40 - 170 mg
Café preparado por gotejamento 60 - 180 mg
Café solúvel 30 - 120 mg
Chá preparado 20 - 110 mg
Chá instantâneo 25 - 50 mg
Chocolate 2 - 20 mg
Coca Cola 45 mg
Diet Coke 45 mg
Pepsi Cola 40 mg
Refrigerantes diversos 2 - 20 mg
Medicamentos analgésicos 30 - 200 mg
Remédios para resfriados 30 - 100 mg

Um comentário:

Luis Alex disse...

Muito bom! Aparenta ser uma boa reunião de informações contundentes a respeito da cafeína.